Moçambique: Queimadas descontroladas devastam florestas em Sofala | Moçambique | DW | 03.10.2018

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Moçambique: Queimadas descontroladas devastam florestas em Sofala

As autoridades moçambicanas estão preocupadas com as queimadas descontroladas na província central de Sofala. As queimadas são uma das principais causas da devastação das florestas da região.

Floresta queimada na província de Sofala, Moçambique

Floresta queimada na província de Sofala, Moçambique

Só no ano passado, as queimadas descontroladas destruíram mais de 10.000 hectares de floresta na província central de Sofala, uma área equivalente a cerca de 14.000 campos de futebol.

Filipe José, de 48 anos, mora no distrito de Maringuée viu recentemente a sua casa ser reduzida a cinzas. Presume-se que o fogo tenha começado por causa de uma queimada no distrito vizinho de Gondola.

A maior parte dos seus pertences foi consumida pelas chamas: "Cama, mala, dinheiro também. Eu estava a fazer negócio de peixe seco, também estava aí dentro. Tudo isso [ficou queimado]. [O fogo] queimou roupas, esteiras e tudo. Não tirei nada aí de dentro".

Ouvir o áudio 02:37

Queimadas descontroladas devastam florestas em Sofala

O número de queimadas descontroladas tem diminuído nos últimos anos. Mesmo assim, em 2017, a Direção Provincial da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural registou mais de oito mil queimadas.

A caça furtiva e a limpeza das áreas para cultivo ou para permitir a regeneração de um novo capim para a pastagem de gado, são apontadas como as principais causas para as queimadas descontroladas. Os fogos chegam, às vezes, a atingir uma extensão de mais de 20 quilómetros.

Mão criminosa?

Francisco Oliveira vive da agricultura e diz que, por trás de muitas queimadas, há mão criminosa e lembra que "já é altura de irmos a machamba, alguns queimam para fazer machambas, além de outros cuidados. Do nada chegam, queimam cometendo crimes. Aqui perto uma moagem e celeiros cheios de milho arderam. Então, é prejuízo que estão a causar".

As autoridades governamentais estão preocupadas e têm feito palestras para alertar as comunidades para o perigo das queimadas, além de divulgarem técnicas de combate aos fogos. Além disso, vão ser criados grupos de gestão de recursos naturais, para sensibilizar a população e prevenir queimadas descontroladas.

Leia mais