Moçambique: Procuradoria arquiva processo contra editor de semanário | Moçambique | DW | 01.03.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Moçambique: Procuradoria arquiva processo contra editor de semanário

Matias Guente, editor-executivo do semanário Canal de Moçambique, tinha sido acusado de alegada violação de segredo de Estado. Procuradoria admitiu que não havia elementos suficientes para permanência do processo-crime.

Matias Guente, editor-executivo do Canal de Moçambique

Matias Guente foi acusado de violação de segredo de Estado

A procuradoria da cidade de Maputo arquivou um processo-crime que havia sido instaurado contra o jornalista editor-executivo do semanário Canal de Moçambique, Matias Guente, por alegada violação de segredo de Estado.

"Fui notificado do arquivamento do processo, com o fundamento da falta de preenchimentos dos elementos constitutivos do tipo legal de crime de que era acusado", afirmou o editor à agência de notícias Lusa.

Matias Guente avançou que a decisão do Ministério Público explicita que o arquivamento do processo não impede que pessoas que se sintam lesadas no processo encerrado possam desencadear, por iniciativa própria, ações legais visando proteger direitos que tenham sido supostamente afetados.

A procuradoria da cidade de Maputo começou por acusar o Canal de Moçambique de violação de segredo de Estado depois da publicação de notícias em 2020 sobre um contrato entre o Governo moçambicano e a multinacional norte-americana Anadarko para a segurança dos projetos de gás natural na província de Cabo Delgado, norte de Moçambique.

A posição da Anadarko no projeto acabou ocupada pela multinacional francesa Total, uma vez que esta empresa comprou a operação da companhia norte-americana em Cabo Delgado.

Canal de Moçambique

O incêndio ao Canal de Moçambique ocorreu em julho de 2020

Ambiente "infernal"

Em entrevista à DW África, após ser interrogado em setembro do ano passado, o editor-executivo do Canal de Moçambique disse considerar "ridículo" o processo contra si e classificou como "infernal" ambiente em que trabalham os jornalistas no país.

Guente defendeu que um jornalista "não está obrigado ao segredo de Estado" e revelou pressões anteriores às quais foi submetido e que, do seu ponto de vista, teriam culminado no atual processo.

É "uma pilha de processos judiciais - incluindo este que é o mais ridículo, de violação de alegados segredos de Estado", afirmou.

Na altura, Matias Guente ainda associou o processo do qual foi alvo aoincêndio ao Canal de Moçambique. "Não temos a mínima dúvida de que tudo isso está relacionado."

Assistir ao vídeo 01:59

"Pandemia tornou-se justificação para atacar liberdade de imprensa"