Moçambique: Processo de DDR divide Embaixador da UE e a RENAMO | Política | DW | 04.09.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Política

Moçambique: Processo de DDR divide Embaixador da UE e a RENAMO

O embaixador da União Europa (UE) no país, António Sánchez-Benedito Gaspar garante que o processo de DDR em Moçambique está a decorrer “muito bem”, assegurando que os subsídios aos desmobilizados estão a ser pagos.

Em Moçambique, o processo de Desmobilização, Desarmamento e Reintegração (DDR) dos ex-guerrilheiros da Resistencia Nacional Moçambicana (RENAMO), principal partido da oposição está a decorrer "muito bem”, garante o embaixador da União Europa (EU) no país, António Sánchez-Benedito Gaspar.

O diplomata que falava na última sexta-feira (03.09) na cidade de Nampula, assegurou que os desmobilizados da RENAMO, no âmbito do DDR estão a receber os seus subsídios com os recursos disponíveis.

"O mais importante, para além do DDR e os subsídios, é criar condições do futuro e oportunidades de emprego e de atividades geradoras de rendas, não só para os antigos guerrilheiros da RENAMO, para o desenvolvimento conjunto daquelas comunidades, porque são regiões afetadas pela pobreza”, indicou António Sánchez-Benedito Gaspar, para quem a União Europeia está a trabalhar na reconciliação no país, e para a criação de estabilidade a longo prazo.

André Magibir I RENAMO

André Magibire, Secretário-geral da RENAMO

Entretanto, o Secretário-geral da RENAMO, André Magibire, desmente as declarações de António Sánchez-Benedito Gaspar sobre os pagamentos dos subsídios e diz que existe mais de 1000 combatentes abrangidos pelo DDR  que não estão a receber. Apesar de reconhecer que há uma parte do grupo dos desmobilizados que está a receber.

Magibire lamenta que o Governo continua "surdo e mudo” nas reivindicações dos antigos militares da "perdiz”. Mas, mesmo assim, diz Magibire que "estamos satisfeitos com o decurso do DDR”.

Neste momento, já desmobilizamos pouco mais da metade dos cerca de cinco mil guerrilheiros da RENAMO, nas províncias de Inhambane, Sofala, Manica e Tete, sendo que segundo André Magibire faltam os que estão "nas bases da Zambézia, Nampula, Niassa e Cabo Delgado”.

Do nosso lado, nós estamos a cumprir e não temos problemas em cumprir os acordos, tanto é que desde 1992 até já mostramos que estamos a cumprir”, disse.

"História de sucesso”

Botschafter der Europäischen Union in Mosambik l António Sánchez-Benedito Gaspar

António Sánchez-Benedito Gaspar

O representante da União Europeia avalia o processo de pacificação de Moçambique como sendo uma "história de sucesso”, porque segundo explica "depois de muitos anos de conflitos, finalmente, as duas partes – o Governo e a RENAMO chegaram a um acordo definitivo, um acordo que está a ser implementado e respeitado” disse António Sánchez-Benedito Gaspar.

No último acordo de paz definitiva assinado por Filipe Nyusi – Presidente de Mocambique e Ossufo Momade – líder da RENAMO, a 06 e agosto de 2019, a UE comprometeu-se a acompanhar o processo, e "estamos a cumprir aquilo que foi prometido”, garante Sánchez-Benedito Gaspar.

Por outro, o diplomata europeu mostrou-se preocupado pela insistência na recusa de Mariano Nhongo, o líder da autoproclamada Junta Militar da RENAMO, de aderir ao processo de DDR, e encoraja a o fazer.

Assistir ao vídeo 02:52

Moçambique: Desmobilizados da RENAMO vivem com medo