Moçambique: Praia do Wimbe dividida entre as vantagens e desvantagens do turismo | Moçambique | DW | 15.09.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Moçambique: Praia do Wimbe dividida entre as vantagens e desvantagens do turismo

O turismo fomentou o desenvolvimento da praia do Wimbe, na citade nortenha de Pemba, mas também aumentou o preço dos produtos. Populações locais queixam-se da perda de poder de compra.

Com 12 quilómetros de costa, a praia do Wimbe é o cartão-de-visita da chamada terceira maior baia do mundo, a Baia de Pemba, na província de Cabo Delgado. Aqui, as praias paradisíacas combinam a beleza da areia fina branca com a água cristalina e palmeiras autóctones. O clima convida ao mergulho e desfruto da gastronomia local.

Bildergalerie Pemba

Praia de Wimbe, Pemba

Se por um lado a visita de turistas à praia do Wimbe, em Pemba, constitui uma oportunidade de negócio para os agentes económicos na zona, por outro é um pesado fardo para os residentes. Os habitantes do bairro Eduardo Mondlane, onde se localiza a zona turística, reclamam do custo de vida a que estão sujeitos devido à subida dos preços dos produtos.

Estes atributos conferem à praia do Wimbe o estatuto de um dos locais turísticos mais procurados em Moçambique por turistas e funcionários de organizações nacionais e estrangeiras, o que se traduz também na criação de um terreno fértil para o desenvolvimento de negócios por parte dos operadores turísticos. Humberto Nazaré, gerente de uma das estâncias a operar na zona há mais de 20 anos, descreve as visitas à praia do Wimbe como "importantes”, pois constituem o estímulo para o crescimento da sua empresa.

"Temos visitantes. Recebemos muita gente de fora e nacionais. Mas as organizações que cá estão sedeadas é que são o forte do movimento que temos no nosso estabelecimento”, frisa.

Mosambik Praia do Wimbe

Henriques Rodrigues, operador turísitco na praia do Wimbe

A opinião é partilhada por Henriques Rodrigues, outro operador de um estabelecimento na praia do Wimbe. "É vantajoso [praticar atividade comercial], porque aqui é como se fosse o cartão-de-visita da praia do Wimbe. Todo o turista que chega tem de visitar a praia do Wimbe. E tem muitos ganhos. O cliente quando chega aqui quer comer camarão, peixe, a comida de Cabo Delgado e, pronto, também temos alguns artesãos que vendem peças”.

O reverso da medalha

Apesar das vantagens que o turismo trouxe para a região, os locais também estão a sentir o reverso da medalha: se por um lado existem muitas oportunidades de negócio, por outro há um sentimento de sufoco por parte dos habitantes que lamentam o aumento do custo de vida em Pemba.

Os residentes das zonas circunvizinhas da praia do Wimbe dizem não ser concebível que produtos adquiridos localmente, principalmente o pescado, estejam a ser comercializados a preços considerados "inacessíveis”.

"Antes conseguíamos com 50 meticais [cerca de 0,70 euros] comprar peixe e comer. Mas agora, mesmo que sejam peixinhos, já não se consegue comprar nada com esse dinheiro”, comenta Abdul Gafur Selimane, que reside junto à praia de Wimba.

Mosambik Praia do Wimbe

Baina Imamo, uma habitante local que apanha moluscos para alimentar a família

"O peixe aqui está muito caro, por isso tenho que me dirigir à praia em busca de moluscos para alimentar a família, uma vez que sou solteira”, diz Baina Imamo. "As coisas estão mesmo inacessíveis. A alternativa é verduras ou feijão cute”, acrescenta,

Turistas são quem mais beneficia

O sociólogo e docente universitário Abílio Lázaro Mandlate destaca que o "turismo tem oferecido uma grande oportunidade para o desenvolvimento de atividades económicas, particularmente na praia do Wimbe”.

Mosambik Praia do Wimbe

Abílio Lázaro Mandlate, sociólogo e professor universitário

"Infelizmente o que temos visto é que quem mais aproveita essas potencialidades são indivíduos que vêm do estrangeiro. Existe aquela perceção de que os estrangeiros têm poder de compra e, uma vez tendo o poder de compra, aqueles indivíduos que fornecem bens e serviços nas áreas turísticas mais frequentadas acabam por vender esses serviços a preços que só realmente eles podem pagar”, explica.

Como solução para o problema, o sociólogo salienta que é "necessário que o país se posicione no sentido de fazer do turismo uma atividade economicamente rentável, não só para aqueles indivíduos que fornecem os serviços, mas também viável para os turistas nacionais”.

Leia mais