Moçambique: Polícias detidos por morte de cidadão na Beira | Moçambique | DW | 27.04.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Moçambique: Polícias detidos por morte de cidadão na Beira

Dois agentes da polícia estão detidos, acusados de espancar até à morte um cidadão de 44 anos na cidade da Beira, na sequência de um alegado incumprimento do estado de emergência.

(Fotografia de arquivo, 2015)

(Fotografia de arquivo, 2015)

O cidadão Abdul R. terá sido morto ao intervir num confronto entre agentes da polícia e um grupo de adolescentes que jogavam futebol num campo situado na zona suburbana da Munhava, na cidade da Beira.

Segundo a família, o homem de 44 anos era familiar de alguns dos adolescentes, e terá intervido depois dos agentes da polícia terem agredido os jovens supostamente por não estarem a respeitar as regras de distanciamento social no âmbito do estado de emergência decretado por causa da pandemia da Covid-19.

Uma testemunha conta em anonimato que várias senhoras começaram a gritar para largarem o homem que"não estava a reagir, não tinha força para reagir porque eles só estavam a bater, a 'coronhar' com aquela arma na cabeça."

Outro cidadão, que pediu igualmente o anonimato, diz que se trata de um caso grave de abuso de poder: "O que eles deviam fazer era prender e levar para a esquadra e não dar pancadas até à morte. Agora perdemos uma pessoa, o que nós queremos é só justiça".

Agentes podem ser expulsos

Dois agentes foram detidos no fim-de-semana depois de as autoridades abrirem um inquérito. A Polícia da República de Moçambique, através do seu porta-voz Orlando Mudumane, condena as atitudes dos colegas, e avança que eles respondem a processos disciplinares e criminais, e poderão ser expulsos da corporação.

Assistir ao vídeo 03:16

Covid-19: Cidade da Beira implementa medidas de prevenção

"O comando-geral da PRM repudia e condena veementemente as atitudes criminosas de alguns agentes de flagrante desrespeito à lei e à deontologia profissional da corporação. Lamenta profundamente a morte daquele cidadão e endereça as mais sentidas condolências à família enlutada", afirmou Mudumane.

MDM pede justiça

Até agora, o Movimento Democrático de Moçambique (MDM) foi o único partido a reagir ao sucedido. A terceira maior força política do país lamentou a ação dos agentes, que classificou como "crime de homicídio voluntário qualificado". Adelino Muchanga, delegado político provincial do MDM, exige justiça "perante esta situação de uma autêntica violação dos direitos humanos".

O MDM denuncia também outras atrocidades semelhantes noutros pontos da província de Sofala e dá o exemplo de Nhamatanda:  "Quando forem 20 ou 21 horas, nenhum cidadão deve circular, [e] quando intercetados são severamente espancados ou 'chamboqueados', sem no mínimo perceberem o motivo da presença no local", diz Adelino Muchanga.