Moçambique: O que terá originado a exoneração do ministro do Interior? | NOTÍCIAS | DW | 10.11.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Moçambique: O que terá originado a exoneração do ministro do Interior?

Analistas consideram que a exoneração do ministro do Interior, Amade Miquidade, pode estar relacionada com a inação no combate aos raptos. Afastamento pode ser uma forma de dar oportunidade aos mais jovens, acreditam.

Os raptos na região metropolitana de Maputo podem ter precipitado a queda do ministro do Interior, Amade Miquidade, consideram analistas.

O cenário de criminalidade em Moçambique no geral não baixou, a corrupção na polícia acentuou-se, o que propicia a organização do crime de raptos.

Empresários e médicos de origem asiática têm sido os alvo preferenciais dos sequestradores. O pesquisador do Centro de Integridade Pública (CIP) Borges Nhamire não tem dúvidas de que "a questão dos raptos está a crescer em Moçambique e agora com muitas evidências de que são os membros da polícia envolvidos nos raptos".

"Acho que esta questão dos raptos é muito central, vem de há muito tempo e sedimentou-se muito com o Presidente Nyusi no poder e continua a perseguir e agora até temos médicos", sublinha.

Acidentes rodoviários?

Já o jurista Job Fazenda é da opinião de que a exoneração do ministro Miquidade pode também estar associada à insegurança rodoviária, com os inúmeros acidentes mortais que se registam nas estradas moçambicanas.

"Em princípio, quem deve garantir a segurança na estrada é o Ministério do Interior. Quem deve garantir que as normas referentes à gestão da rodovia, etc, é o Ministério dos Transporte, é evidente, mas como estamos no campo das hipóteses pode estar associado a esta exoneração", comenta.

Falando ao canal privado STV, parceiro da DW, o pesquisador do CIP Borges Nhamire entende que o desempenho do ministro Miquidade não foi de todo mau e que o espelho da segurança nacional é o comandante-geral e não o ministro.

"O ministro é uma pessoa que mostra uma maturidade", afirma o investigador. "Eu era uma das pessoas que não concordava que o conflito de Cabo Delgado fosse liderado pela policia, porque eu penso que é assunto da defesa. Mesmo assim, é um ministro que dava consistência entendia-se o que o ministro estava a falar", considera.

Generalkommandant der Polizei der Republik Mosambik Bernardino Rafael

Bernardino Rafael, comandante-geral da Polícia de Moçambique

Bernardino Rafael será o próximo?

Borges Nhamire acredita que o homem que se segue no Ministério do Interior pode ser o próprio comandante-geral da polícia, Bernardino Rafael, visto ter muitos poderes e ser muito próximo do Presidente Nyusi.

"Tanto o Presidente Nyusi como o próprio comandante são de uma outra geração mais nova que o ministro do Interior, então, não pode ser difícil de trabalhar com essa gente que já fez muito por este país e conhece muitos corredores. E sabe-se que o ministro Miquidade vem desde os tempos do Presidente Samora Machel", entende o pesquisador. 

O Presidente Filipe Nyusi exonerou igualmente Adelaide Amurane do cargo de ministra da Presidência para Assuntos da Casa Civil.

Moto-taxistas não respeitam o Código da Estrada em Manica

Leia mais