Moçambique: Missão militar da UE vai começar até final do ano | Moçambique | DW | 14.09.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Moçambique: Missão militar da UE vai começar até final do ano

O chefe da missão de treino militar da União Europeia (EUTM) em Moçambique diz estar convicto de que a missão contra o terrorismo no norte do país estará em pleno funcionamento até o fim de 2021.

Soldados das forças moçambicanas na província de Cabo Delgado

Soldados das forças moçambicanas na província de Cabo Delgado

Em entrevista à agência de notícias Lusa, o general português Nuno Lemos Pires disse que parte esta terça-feira (14.09) a Maputo para integrar a "força de planeamento avançada".

Bruxelas ainda discute e negoceia a participação dos vários países que darão corpo à missão.

"No dia 16 - data em que se realizará a conferência de geração das forças - é que vamos ter uma maior clareza de quantos países vão, efetivamente, dar [efetivos], para quê e quantos", explicou. 

Missão de dois anos

"A única coisa que sabemos é que vamos ter cerca de 10 a 12 países da União Europeia e provavelmente vamos ter dois ou três países de fora da União Europeia que já se voluntariaram para também contribuírem para a missão, e que Portugal continua firme no seu compromisso de, se for necessário, contribuir com até 50% do efetivo, que no terreno serão cerca de 120 pessoas", acrescentou o líder da missão.

Assistir ao vídeo 02:21

Moçambique: "Ataques terroristas não têm nada a ver com Islão"

Para além dos 120 efetivos, a missão contará ainda com cerca de 50 efetivos "on call", que só irão por períodos curtos. A União Europeia deverá dar a ordem de lançamento da missão em outubro, mas apenas "em novembro ou dezembro" deverão estar fechadas as "Final Operation Capabilities (FOC)" -  as "capacidades finais de operação", na tradução livre. A partir de quando começar a operar, a missão vai ter um prazo de dois anos.

Para além da missão que irá treinar a força de reação rápida moçambicana, a UE irá ainda apoiar as unidades de comandos e fuzileiros desta força com equipamento não-letal. "Estamos a ter em atenção aquilo que as forças armadas de Moçambique têm, e a União Europeia, tal como Portugal, está a fazer um esforço para conseguir também ajudar com o equipamento da força", explicou Lemos Pires. 

Assistir ao vídeo 02:12

Aldeia 3 de Fevereiro: Novas esperanças para deslocados em Cabo Delgado

Leia mais