Moçambique: Jornalista ouvido por alegada violação de segredo de Estado | NOTÍCIAS | DW | 10.07.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Moçambique: Jornalista ouvido por alegada violação de segredo de Estado

Matias Guente foi interrogado sobre textos que focavam violência armada em Cabo Delgado publicados pelo semanário Canal de Moçambique. Em causa, contratos entre o Governo e a Anadarko classificados como confidenciais.

O editor do semanário Canal de Moçambique, Matias Guente, foi ouvido esta sexta-feira (10.07) na procuradoria da cidade de Maputo, no âmbito de um processo em que é arguido por alegada violação de segredo de Estado em textos sobre violência armada em Cabo Delgado.

Fonte ligada ao processo disse à agência de notícias Lusa que o magistrado titular do caso interrogou Matias Guente sobre a fonte e as motivações por detrás de textos que o semanário escreveu em março deste ano sobre contratos assinados em fevereiro de 2019 entre o Governo moçambicano e a petrolífera norte-americana Anadarko.

Os contratos, que o Canal de Moçambique designou em título como "negócios da guerra", visavam proteger a construção dos projetos de gás natural na bacia do Rovuma, província de Cabo Delgado, de ataques armados que assolam a região. 

Infografik Karte Mosambik Gasfelder PT

O magistrado quis também saber de Matias Guente o que levou o jornal a escrever sobre contratos que levavam o carimbo "confidencial" na capa.

A audição de Matias Guente durou cerca de três horas e o jornalista estava acompanhado pelo seu advogado e também jornalista Ericino de Salema.

À saída da audição, tanto Ericino de Salema como Matias Guente não prestaram declarações à comunicação social pelo facto de o processo ainda se encontrar em segredo de justiça.

Ouvido pela DW em junho, Matias Guente disse não se sentir intimidado: "O Estado tem que garantir que o jornalista exerce a sua atividade dentro de um clima de segurança e independência", considerou.

No mesmo processo é também arguido o diretor do jornal, Fernando Veloso, mas o jornalista ainda não foi ouvido por se encontrar em Portugal para tratamento médico.

Leia mais