Moçambique: Homens armados incendeiam casa da mãe de Manuel de Araújo | NOTÍCIAS | DW | 16.09.2019

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Moçambique: Homens armados incendeiam casa da mãe de Manuel de Araújo

No momento do crime estavam três pessoas na residência, mas o principal alvo a mãe de Araújo não estava em casa. O candidato da RENAMO acusa a FRELIMO de ser o autor moral deste crime. FRELIMO repudia acusação.

Em Moçambique, cinco homens armados incendiaram a casa da mãe de Manuel de Araújo, o candidato da RENAMO a governador da província da Zambézia. Segundo a polícia, o objetivo dos homens era assassinar a mãe do político.

Manuel de Araújo culpa diretamente o partido no poder, a FRELIMO, pelo que aconteceu. Os homens armados entraram na casa da mãe de Manuel de Araújo por volta da meia-noite, segundo relatos de testemunhas ouvidas pela DW África. O guarda da residência diz que foi apanhado de surpresa e não teve como fugir.

"Trouxeram duas armas AKM, duas pistolas, cinco catanas, mais uma picareta. Uma pistola estava embrulhada nuns panfletos em que aparecem Nhongo e Ossufo Momade”, segundo relatou o guarda.

Ouvir o áudio 03:28

Moçambique: Homens armados incendeiam casa da mãe de Manuel de Araújo

Vizinhança apaga fogo

Os atacantes amarraram o guarda e, a seguir, incendiaram a casa. Assim que a vizinhança se apercebeu do que se estava a passar, vieram logo apagar o incêndio.

"Eu ouvi um barulho lá fora. Senti o cheiro do combustível. Saí para fora e já tinham amarrado o guarda na boca e nas mãos. Desatei a corda e fomos ao poço tirar água para apagar o fogo”, afirmou um dos vizinhos.

As três pessoas que se encontravam a dormir na residência, incluindo o guarda, escaparam ilesas. Na altura, a mãe do candidato da RENAMO, Manuel de Araújo, não estava no local. Mas muitos bens, incluindo roupas, ficaram queimados pelas chamas.

Araújo acusa a FRELIMO

Manuel de Araújo culpa o partido no poder em Moçambique, a FRELIMO, pelo ataque.

"Em primeiro lugar quero acusar publica e diretamente o partido FRELIMO e o Presidente Filipe Jacinto Nyusi como co-autores e mandantes deste crime bárbaro. Não é a primeira vez os autores são membros da FRELIMO”, apontou Manuel Araújo.

O candidato da RENAMO responsabiliza ainda o ministro do Interior moçambicano, Basílio Monteiro, e o candidato da FRELIMO a governador da província da Zambézia, Pio Matos, pela "autoria moral" do ataque.

"Para mim, o senhor Filipe Nyusi, o senhor Basílio Monteiro e o senhor Pio Matos são os autores morais deste crime que atenta contra a vida da minha família, da minha mãe, dos meus filhos e daqueles que vivem connosco”, acusou o candidato da RENAMO.

Campanha suja

Mosambik RENAMO Partei Manuel de Araújo

Manuel de Araújo, candidato da RENAMO

Manuel de Araújo diz que não se surpreende com estes acontecimentos, porque já sabia que a campanha eleitoral em curso seria sangrenta.

"Eu já tinha advertido para isso mesmo antes do início da campanha. Eu disse que esta seria a campanha mais violenta a que nos já assistimos em Moçambique. Informámos a quem nos tem ouvido e a quem quis ouvir”, afirmou Araújo.

O comando da polícia da Zambézia garante que está a envidar esforços para capturar os cinco homens armados, que continuam a monte. Não se sabe ainda a identidade dos atacantes. Mas, segundo Sidner Lonzo, porta-voz da polícia, admite-se a possibilidade de os homens serem provenientes da cidade da Beira, província de Sofala.

"No momento em que se introduziram no quintal dessa residência e no momento em que imobilizavam o guarda eles disseram que vinham da cidade da Beira, e pretendiam tirar a vida à mãe do edil da cidade de Quelimane, o senhor Manuel de Araújo”, explicou Sidner Lonzo.

Mosambik Zambézia Sábado Chambe spricht über Manuel Araújo

Sábado Chambe porta-voz da FRELIMO

Centenas de simpatizantes da RENAMO e de outros populares aglomeraram-se esta segunda-feira (16.09.) junto à residência da mãe de Manuel de Araújo e pediram que seja feita justiça.

"Estou a perguntar se o acordo do presidente Nyusi e o presidente da RENAMO que eles fizeram na Gorongosa é esse ou não? Não podemos votar com medo. Essa é uma guerra, não há paz!”, reclamou uma das pessoas presentes no local. 

Na conferência de imprensa convocada esta noite pela FRELIMO o porta-voz do partido, Sábado Chambe, condenou as declarações de Manuel de Araújo contra os seus altos dirigentes.

"A FRELIMO repudia e condena veementemente a postura assumida pelo cidadão Manuel de Araújo de proferir publicamente declarações acusatórias infundadas que mancham o bom nome e a imagem do partido FRELIMO e dos seus altos dirigentes. Visando o aproveitamento político, confundindo a opinião pública num contexto de campanha eleitoral, que decorre de forma ordeira, pacífica e num ambiente de cordialidade entre as várias forças políticas concorrentes", disse Chambe.

Leia mais