Moçambique: Há sinais que podem atrair investimento estrangeiro | Moçambique | DW | 25.11.2019

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Moçambique: Há sinais que podem atrair investimento estrangeiro

A Capital Economics, que acompanha a economia de Moçambique, considera que a decisão da Standard & Poor's de retirar o país do incumprimento financeiro abre a porta ao FMI e encoraja os investidores.

O analista da Capital Economics, empresa de análise económica com sede em Londres, Virág Fórizs, disse à agência Lusa que "a decisão da Standard & Poor's (S&P) de melhorar o 'rating' de Moçambique [para CCC+], tirando-o do 'default', vai melhorar o sentimento dos investidores, ajudar o país a ganhar acesso aos mercados internacionais e pode reabrir a porta para um acordo com o Fundo Monetário Internacional".

A S&P foi a terceira das três maiores agências de 'rating' a tirar o país da categoria de default (incumprimento financeiro), atribuindo à economia do país uma perspetiva de evolução estável.

O analista da Capital Economics  acrescentou que apesar das autoridades quererem deixar para trás o escândalo das dívida ocultas, "a elevada dívida de Moçambique continua a ser uma preocupação".

O acordo com os credores dos títulos de dívida soberana, apontou, "representa apenas 4% do total da dívida", mas ainda assim, concluiu, "as perspetivas económicas do país são boas com o desenvolvimento dos investimentos no setor do gás natural". 

Standard & Poor's press conference - Paris

S&P, empresa de notação financeira norte-americana

Previsões de abrandamento e subida

No documento da agência de notação financeira S&P prevê-se que o país abrande para os 2,5% este ano e que o rácio da dívida pública face ao produto interno bruto (PIB) suba para 116,2%.

"O desempenho económico deste ano foi significativo e negativamente afetado pelos dois ciclones tropicais, Idai e Kenneth, em março e abril, e em resultado a produção agrícola e de eletricidade deverá ser fraca durante o ano devido aos estragos causados nas acolheitas e na infraestruturas, incluindo o porto da Beira, um dos grandes portos para as exportações de matérias primas", escrevem os analistas.

Leia mais