Moçambique: Familiares de Afonso Dhlakama vão processar contra uso do nome | Moçambique | DW | 08.07.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Moçambique: Familiares de Afonso Dhlakama vão processar contra uso do nome

Familiares de Afonso Dhlakama indignam-se perante planos de formação de um novo agrupamento político com o nome "Coligação Eleitoral Afonso Dhlakama". E ameaçam recorrer à Justiça.

O documento que autoriza a formação da Coligação Eleitoral Afonso Dhlakama

O documento que autoriza a formação da Coligação Eleitoral Afonso Dhlakama

A família de Afonso Dhlakama, líder histórico do principal partido da oposição em Moçambique, a Resistência Nacional de Moçambique (RENAMO), afirma-se "chocada" pelo político Yaqub Sibindy ter fundado uma aliança política com o nome Coligação Eleitoral Afonso Dhlakama (CEAD).

O general Elias Dhlakama, irmão mais novo de Afonso Dhlakama, explica que a revolta da família não se prende com a formação da coligação para fins eleitorais, "mas sim contra o uso do nome do nosso ente querido. Consideramos essa atitude uma agressão moral e psicossocial", disse Dhlakama.

Elias Dhlakama suspeita que Sibindy deseja usar o nome do seu irmão para resgatar a sua imagem e a da sua formação política, o Partido Independente de Moçambique (PIMO).

Família rejeita uso do nome para fins políticos

O general considera Sibindy "um político falido" e acusa-o de proximidade com o ex-Presidente Armando Guebuza: "Yaqub era constante no palácio e trocava camisetas com Guebuza, tratando a política como se fosse um clube de futebol", afirmou.

General Elias Dhlakama

Elias Dhlakama, irmão do fundador da RENAMO, Afonso Dhlakama, diz que a família está "chocada"

Yaqub Sibindy é sobrinho do ex-líder da RENAMO. Mas Elias Dhlakama diz que nem mesmo os filhos estão autorizados a usar nome do finado para questões políticas. E avisa que vai recorrer a tribunais, caso o líder do PIMO insista em avançar. "Afonso Dhlakama não é um instrumento, e nós queremos respeito", disse.

General na reserva, Elias Dhlakama é membro sénior do principal partido da oposição em Moçambique. Foi candidato à liderança da RENAMO, mas perdeu a posição para Ossufo Momade. Dhlakama pretende voltar a concorrer à liderança no próximo congresso.

Relações tensas

"Na RENAMO não há os impedidos de concorrer e os autorizados a concorrer, bastando preencher os requisitos. Eu acredito que qualquer quadro da RENAMO pode concorrer", disse.

Dhlakama reage de forma diplomática a especulações em torno de relações alegadamente tensas com Momade.

"As nossas relações são as de dois membros [da RENAMO]. A única diferença que existe hoje é que ele está a liderar o partido e amanhã poderá ser outro a liderar o partido".