Moçambique: Faltam alimentos em Inhambane após seca prolongada | Moçambique | DW | 16.03.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Moçambique: Faltam alimentos em Inhambane após seca prolongada

Cerca de 43 mil famílias na província moçambicana de Inhambane sofrem com a falta de alimentos devido à estiagem, que contribuiu para a baixa produção agrícola. Governo convocou parceiros para intensificar assistência.

A campanha agrícola 2019/2020 foi um fracasso para os camponeses da província de Inhambane, no sul de Moçambique. Uma forte estiagem, principalmente nos distritos de Mabote, Govuro, Massinga, Panda, Funhalouro, Vilankulo, Inhassoro e Homoíne, castigou os camponeses.

Júlio Mabasso, agricultor de Inhambane, contou à DW África que a produção foi muito baixa devido à falta de chuva nos últimos três meses. "Semeei, só que a produção foi baixa porque a chuva atrasou muito, chegou enquanto já estava a secar amendoim, milho e feijão-nhemba", lamenta.

As famílias da região estão a sofrer com a escassez de alimentos provocada pela estiagem. Segundo a Direção Provincial de Educação e Desenvolvimento Humano de Inhambane, cerca de 25 mil alunos das escolas primárias necessitam de lanche escolar com urgência para evitar o abandono das escolas.

Crianças com fome nas aulas

O professor Alfredo Manhique, de Inhambane, revela que muitas crianças acabam por não perceber o conteúdo apresentado na sala de aula por causa da fome. "As crianças chegam com fome e nos últimos tempos, um quarto ou um quinto das crianças não estão atentas por causa da fome", relata.

Ouvir o áudio 02:36

Faltam alimentos em Inhambane após seca prolongada

Para mitigar a situação da insegurança alimentar, várias organizações foram mobilizadas pelo Governo para assistirem os necessitados com intervenções pontuais nas comunidades. O Programa Mundial de Alimentação (PAM) é uma das organizações que já atua em vários locais. 

A Plan International, uma organização não-governamental de resposta à estiagem, iniciou um projeto com mais de cinco mil crianças nas escolas, que passa pela distribuição de papas nutritivas em alguns distritos onde vivem famílias com dificuldades em garantir uma alimentação equilibrada.

Cândido Mapute, delegado provincial do Instituto Nacional de Gestão de Calamidades Naturais (INGC) em Inhambane, disse à DW África que, na avaliação feita até janeiro último, foram registadas mais de 27 mil famílias assoladas pela seca. "Visto isto, o Governo viu-se obrigado a convocar os seus parceiros para intensificar as ações de assistência alimentar", diz o delegado do INGC, que assegura que a maior parte das famílias já está a beneficiar de apoios.

Leia mais