Moçambique: Engenhos explosivos causam mais dez mortes na Zambézia | Moçambique | DW | 28.09.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Moçambique: Engenhos explosivos causam mais dez mortes na Zambézia

Ainda há riscos para os moçambicanos num país supostamente livre de minas? Nos últimos seis meses, dez pessoas morreram na província da Zambézia, vítimas de explosões de engenhos. Especialistas desconhecem proveniência.

Campo de cultivo em Pebane onde foram encontrados engenhos explosivos

Campo de cultivo em Pebane onde foram encontrados engenhos explosivos

Os dez cidadãos moçambicanos vítimas de explosões de minas morreram em circunstâncias muito diferentes. Um dos primeiros casos registados foi no princípio de março, no distrito de Morrumbala, a sul da província central da Zambézia, quando três crianças morreram num campo de cultivo. As vítimas teriam tocado na mina com uma enxada.

As outras minas foram detetadas em Naciaia, distrito de Namacurra, graças a denúncias dos residentes. E na semana passada, mais sete pessoas morreram na sequência de uma explosão no distrito de Pebane, norte da Zambézia. 

Mosambik | Sidner Lonzo

 Sidner Lonzo, porta-voz do comando da polícia na Zambézia

As autoridades estão muito preocupadas com os acontecimentos, disse o porta-voz do comando da polícia na província. Sidner Lonzo explicou que as pessoas que encontraram o engenho no distrito de Pebane levaram-no para uma área residencial.

"A intenção era proceder à abertura deste engenho para retirar algum objeto precioso dentro deste engenho explosivo. Acabaram usando um machado para forçar a abertura deste engenho. No momento em que se procedia esta ação, o mesmo acionou-se e infelizmente acabou tirando a vida de sete pessoas", lamentou o porta-voz da polícia na Zambézia.

De onde vêm as minas?

"Essas minas não sabemos de onde vêm", afirma o especialista em assuntos militares Victorino Victorino, que foi combatente da luta armada de libertação nacional. "Nós passávamos por lá e não as encontrávamos. Há pessoas que estão a recolocá-las para maltratar o povo. Para mim, é uma admiração", confessa.

Mosambik Cassimo Jamal

Historiador moçambicano Cassimo Jamal

Para o historiador Cassimo Jamal, há várias possibilidades para explicar a existência de engenhos explosivos na Zambézia. "A primeira razão neste processo de conflito armado é que alguns projéteis que foram disparados acabaram se espalhando por vários cantos do território nacional. A sua localização é incerta e não era na altura um objeto principal do projeto de desminagem", lembra.

A segunda razão, na opinião do especialista, é que o projeto de desminagem, embora tenha já sido concluído, "não foi tão abrangente em função da denúncia feita pela população em relação à ocorrência de um determinado objeto desconhecido."

"Era simplesmente aquela área que era desminada. As outras áreas praticamente poderiam ficar sem aquela investigação. Só hoje, volvidos muitos anos, aqueles objetos reaparecem, em função da erosão. As areias vão se movimentando e objetos soterrados acabam vindo à superfície", justifica o historiador.

Denúncias e mais vigilância 

O especialista militar Francisco Benquemane mostra-se cético quanto à existência de engenhos depois da guerra civil moçambicana, que culminou com a assinatura dos acordos de paz entre a FRELIMO, partido no poder, e a RENAMO, em 1992.

"Houve trabalhos de desminagem para dar a terra à população para a sua produção. Por isso é que o Governo teve este plano, depois da guerra dos 16 anos. Não existe nenhuma parte com minas. Sobre a explosão de minas dentro de nosso território, não posso dizer nada", conclui.

As autoridades na Zambézia têm apelado a uma maior vigilância e a denúncias por parte da população em caso de notar algum metal soterrado próximo à sua residência ou nos campos de cultivo.

Leia mais