Moçambique e Ruanda assinam acordo de extradição | Moçambique | DW | 07.06.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Moçambique e Ruanda assinam acordo de extradição

Os entendimentos, rubricados em Kigali, preveem cooperação no combate ao crime e a extradição de suspeitos de prática de delitos entre os dois países.

Os governos de Moçambique e do Ruanda assinaram um acordo de extradição e de assistência mútua legal, anunciou, esta terça-feira (07.06), o Ministério dos Assuntos Constitucionais e Legais ruandês no seu portal.  

O entendimento foi rubricado pelo ministro de Estado para os Assuntos Constitucionais e Legais do Ruanda, Nyirahabamina Soline, e a ministra da Justiça, Assuntos Constitucionais e Religiosos de Moçambique, Helena Kida, no âmbito da visita que a governante moçambicana realizou a Kigali na última semana. 

"Os acordos significam que Ruanda e Moçambique estão agora a salvo de criminosos, o que significa que os nossos cidadãos se sentirão seguros", afirmou Soline. 

Os entendimentos preveem cooperação no combate ao crime e a extradição de suspeitos de prática de delitos entre os dois países. 

Sentimento de medo

A comunidade ruandesa residente em Moçambique já manifestou várias vezes o sentimento de medo, devido a ações de perseguição supostamente movidas pelos serviços de segurança de Kigali contra alegados opositores do Presidente Paul Kagame, que dirige o país com mão de ferro. 

Várias figuras da comunidade ruandesa morreram em Moçambique em circunstâncias misteriosas e que nunca foram esclarecidas. 

O Ruanda tem desempenhado um papel importante na restauração da segurança na província de Cabo Delgado, norte de Moçambique, que é aterrorizado por grupos armados desde 2017. 

O país tem na região um contingente armado desde julho de 2021, que, juntamente com as forças governamentais moçambicanas e da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC), combate insurgentes na província. 

"Cabo Delgado tornou-se uma negação do Estado de Direito"

Leia mais