Moçambique e Guiné Equatorial assinam acordo para supressão de vistos | Moçambique | DW | 02.06.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Moçambique e Guiné Equatorial assinam acordo para supressão de vistos

Os governos de Moçambique e da Guiné Equatorial assinaram um acordo para supressão de vistos, informaram os chefes de Estado dos dois países. Filipe Nyusi está de visita a Malabo a convite do homólogo Teodoro Obiang.

"Nós, os países africanos, devemos apostar na cooperação”, declarou Teodoro Obiang, momentos após receber em Malabo, capital da Guiné Equatorial, o seu homólogo moçambicano, Filipe Nyusi, que visita o país da África Central desde quarta-feira (01.06).

O acordo sobre a supressão de vistos abrange passaportes diplomáticos e ordinários, visando dinamizar as relações económicas entre os dois Estados e facilitar a mobilidade, um objetivo assumido no quadro da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), da qual os dois países fazem parte, juntamente com Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste.

CPLP

Acordo visa facilitar a mobilidade, um objetivo assumido no quadro da CPLP

"Mais uma vez trata-se da expressão da CPLP, que defende que as portas do nosso país devem estar abertas para a economia poder funcionar”, declarou o chefe de Estado moçambicano, momentos após a assinatura dos documentos.

Cooperação na cultura

Além do acordo para supressão de vistos, Moçambique e Guiné Equatorial também assinaram um acordo para cooperação na área da cultura.

A visita do chefe de Estado moçambicano surge a convite do homólogo Teodoro Obiang, depois da visita que fez a Moçambique há cinco anos.

A agenda visa também "a troca de experiências no âmbito da exploração de hidrocarbonetos, particularmente o petróleo e gás", bem como "a prospeção de mercado" para exportação de produtos moçambicanos.

Filipe Nyusi viaja com três membros do Governo: a ministra da Cultura e Turismo, Edelvina Materula, o ministro dos Recursos Minerais e Energia, Carlos Zacarias, e o titular da Indústria e Comércio, Silvino Moreno.

Mobilidade é "crucial", defende presidente da CPLP

Leia mais