Moçambique: Dhlakama anuncia acordo com Presidente para eleição de governadores | NOTÍCIAS | DW | 25.09.2017

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Moçambique: Dhlakama anuncia acordo com Presidente para eleição de governadores

Segundo o líder da RENAMO, o acordo prevê que, a partir de 2019, os governadores provinciais passem a ser eleitos e não nomeados pelo Presidente da República.

Filipe Nyusi e Afonso Dhlakama encontraram-se na Gorongosa em agosto

Filipe Nyusi e Afonso Dhlakama encontraram-se na Gorongosa em agosto

"Conseguimos! Em 2019 teremos governadores eleitos! Da RENAMO, do MDM, da FRELIMO e, se calhar, dos outros partidos”, anunciou satisfeito o presidente da Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO), Afonso Dhlakama.

O anúncio foi feito no sábado (23.09) durante uma reunião da comissão política da RENAMO na Gorongosa, numa das raras aparições públicas do líder da principal força da oposição moçambicana.

Note-se que foi há cerca de um ano e meio que Dlhakama se refugiou, mais uma vez, na serra da Gorongosa, no centro de Moçambique.

Mosambik Maputo Parlament / Plenary session in Mozambik's Parliament

Segundo Dhlakama, o projeto de descentralização da RENAMO vai ser aprovado pela Assembleia da República

Afonso Dhlakama anunciou que chegou a acordo com o Presidente moçambicano Filipe Nyusi para a eleição de governadores provinciais, uma antiga reivindicação do seu partido. Os governadores, disse, vão passar a ser eleitos já a partir das eleições gerais de 2019. "É um acordo entre o Dhlakama e o Nyusi. Nós aprovámos!", garantiu o líder da oposição.

O líder da RENAMO sempre defendeu que os governadores fossem eleitos diretamente pelo povo. Com regozijo, sublinhou que a sua determinação valeu a pena: "Deveu-se isto à minha determinação, a esta coragem. Pareço um maluco nas serras, nas montanhas, mas deu o resultado."

O líder da oposição referiu que, graças ao acordo, o projeto de descentralização da RENAMO deverá ser aprovado quando chegar à Assembleia da República, que tem maioria da Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO).

FRELIMO remete declarações para Nyusi

Entretanto, o porta-voz da FRELIMO saudou a forma fluida do diálogo para a paz com a RENAMO e remeteu para o Presidente Filipe Nyusi detalhes sobre o acordo anunciado por Dhlakama.

"Este diálogo tem estado a fluir muito bem, ao mais alto nível, e nós pensamos que é para esse nível que temos que remeter qualquer tipo de apreciação detalhada", referiu, no domingo (24.09), António Niquice, secretário para a mobilização e porta-voz do partido no poder.

Ouvir o áudio 02:27

Moçambique: Dhlakama anuncia acordo com Presidente para eleição de governadores

António Niquice acrescentou que um "sinal inequívoco" do diálogo construtivo já tinha sido dado no início de agosto com a visita do Presidente da República e líder da FRELIMO, Filipe Nyusi, a Dhlakama, na serra da Gorongosa, onde o principal rosto da oposição se encontra refugiado.

Nyusi "foi visitar um irmão" num processo "de aproximação das famílias moçambicanas", lembrou António Niquice.

Apesar de Governo e RENAMO terem assinado em 1992 o Acordo Geral de Paz e um segundo acordo em 2014 para a cessação das hostilidades militares, Moçambique vive ciclicamente surtos de violência pós-eleitoral, devido à recusa do principal partido da oposição em aceitar os resultados, alegando fraude.

Em maio, o líder da RENAMO anunciou uma trégua nos confrontos com as Forças de Defesa e Segurança por tempo indeterminado, após contatos com o chefe de Estado moçambicano.