Moçambique deve permitir investigação às violações dos direitos humanos | Moçambique | DW | 11.12.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Moçambique deve permitir investigação às violações dos direitos humanos

David Matsinhe, da Amnistia Internacional, alerta que Moçambique tem feito pouco pela defesa dos diretos humanos e defende investigação à atuação das forças do Estado para evitar escalada da tensão em Cabo Delgado.

David Matsinhe salienta que o Estado moçambicano “tem a responsabilidade de proteger, defender e respeitar os direitos humanos” no país, e tudo fazer pela transparência da atuação das Forças de Defesa e Segurança (FDS).

Perante a escalada de denúncias relacionadas com a atuação do exército e da polícia em Cabo Delgado, o investigador da Amnistia Internacional alerta que Moçambique é um país signatário de tratados internacionais que o obrigam à defesa dos direitos humanos.

David Matsinhe

David Matsinhe, investigador da Amnistia Internacional

A violência armada em Cabo Delgado, no Norte de Moçambique, está a provocar uma crise humanitária com mais de duas mil mortes e 560 mil pessoas deslocadas, sem habitação, nem alimentos, concentrando-se sobretudo na capital provincial, Pemba. A província está desde há três anos sob ataque de insurgentes e algumas das incursões passaram a ser reivindicadas pelo grupo 'jihadista' Estado Islâmico desde 2019.

Em entrevista à DW África, David Matsinhe revela ter esperança na mudança de atitude por parte do Governo em Maputo, incentivando o Estado a abrir-se a uma investigação independente que indague a atuação das forças armadas do país.

DW África: Seria uma espécie de utopia pedir respeito pelos Direitos Humanos em Cabo Delgado nesta altura?

David Matsinhe (DM): Não, porque Cabo Delgado faz parte do Estado de Direito e da Democracia, por isso não se trata de pedir, mas de exigir a prestação de contas naquilo que diz respeito aos direitos humanos em Cabo Delgado. Moçambique é um país signatário de tratados internacionais e Moçambique também se comprometeu na União Africana (UA) e na Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) a proteger os cidadãos moçambicanos que estão na sua jurisdição. Proteger os direitos humanos e garantir que todos os violadores dos diretos humanos sejam responsabilizados. Não se trata de uma utopia.

Mosambik | Vertriebene | Metuge

A violência armada em Cabo Delgado, norte de Moçambique, está a provocar uma crise humanitária com mais de duas mil mortes e 560 mil pessoas deslocadas

 

DW África: Como está a situação de Moçambique no que toca aos Direitos Humanos?

DM: Desde o início do conflito em Cabo Delgado, têm entrado na nossa organização quase todos os dias alegações de violações de direitos humanos não só pelos insurgentes que estão a atacar as aldeias dos distritos nortenhos de Cabo Delgado, mas também por parte das Forças Armadas de Moçambique. Nós achamos que é da responsabilidade do Estado de Moçambique respeitar todos os tratados de direitos humanos internacionais em que o país é signatário.

Mosambik I Schnellinterventionseinheit UIR der mosambikanischen Polizei

Forças de Defesa e Segurança de Moçambique estão na mira de organizações internacionais de defesa dos direitos humanos

DW África: Como pedir a prestação de contas a um Governo que muitas vezes se fecha face às denúncias ou críticas, por exemplo, no caso da atuação das Forças de Defesa e Segurança em Cabo Delgado?

DM: O Governo de Moçambique é composto por seres humanos que têm capacidade de mudança. Por isso, vamos continuar a fazer essas exigências. Temos essa fé e a consciência de que quem está à frente dos destinos do país tem a capacidade de mudar. Caso contrário, não estaríamos aqui a fazer este trabalho. Se o Governo de Moçambique pretende limpar a sua imagem na comunidade internacional e criar uma imagem positiva, então é da sua responsabilidade abrir-se e permitir uma investigação transparente, imparcial e exaustiva a estas alegações. Isso é do interesse do Governo moçambicano que também já se mostrou incapaz de travar [o conflito] e instaurar a paz e a prosperidade na província de Cabo Delgado. Se não, o conflito vai continuar a alastrar nas províncias de Moçambique e até nos países da África Austral.

DW África: Uma campanha de promoção dos direitos humanos no seio do exército moçambicano seria uma das soluções para reverter a situação em Moçambique?

DM: Eu não sei se o exército e a polícia de moçambique têm na sua consciência que eles são defensores e protetores dos direitos humanos. Não me parece, pelo que temos assistido e acompanhado, que exista essa consciência. No âmbito do direito internacional, o Estado é que tem a responsabilidade de proteger, defender e respeitar os direitos humanos. Membros do exército e da polícia de Moçambique são agentes do Estado na zona de conflito. Eles têm de se comportar de maneira exemplar e pautarem-se pelo respeito e proteção dos direitos humanos.

Assistir ao vídeo 02:18

O relato de um sobrevivente do terrorismo

Leia mais