Moçambique: Confinamento fez disparar casos de violência sexual em Inhambane | Moçambique | DW | 14.10.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Moçambique: Confinamento fez disparar casos de violência sexual em Inhambane

Organizações da sociedade civil moçambicana dizem estar a trabalhar para encorajar as vítimas a denunciar o aumento de casos de abuso sexual durante a pandemia. Administração da Justiça reforçou as campanhas de alerta.

Associação Txivuno Txavanana confirma que casos de violação aumentaram desde o início da pandemia (foto ilustrativa)

Associação Txivuno Txavanana confirma que casos de violação aumentaram desde o início da pandemia (foto ilustrativa)

Uma jovem de 18 anos que preferiu não revelar o nome disse à DW África que por causa do confinamento relacionado com a Covid-19 foi violada várias vezes pelo tio. A adolescente nunca apresentou queixa às autoridades por medo de represálias. 

"A minha família, quando descobriu, achou que fosse mentira ou brincadeira. O primeiro a descobrir foi o meu avô, porque nos encontrou", conta.

O caso desta jovem não é o único. Rufaida Abdul, residente em Maxixe, diz que um dos seus vizinhos engravidou a própria neta. Segundo esta cidadã, o ancião fazia-se acompanhar pela menor quando ia para pesca durante a noite, altura em que abusava sexualmente da criança. 

Nigeria | Protest nach Vergewaltitung

Mulheres protestam contra a violência sexual em Abuja, na Nigéria

"Todos os dias, ele acorda a neta e vai com ela à praia. É naquele momento que ele se aproveita dela", lamenta.

Arteonesa Sambo, presidente da Associação Txivuno Txavanana, que engloba algumas organizações não-governamentais em Inhambane, confirma que os casos de violação e agressão sexual têm aumentado desde o início da pandemia da Covid-19, embora as raparigas tenham medo de denunciar os violadores.

"Não querem denunciar, porque podem sofrer represálias. Nas [ações de] sensibilização nas comunidades e escolas, [dizemos] a essas raparigas para não terem medo de denunciar estes casos", refere Arteonesa Sambo, acrescentado que a associação está a disponibilizar proteção para as vítimas.

"É preciso que as famílias olhem para as raparigas como o futuro do nosso país", frisa.

Governo não revela dados

Graça Arnaldo, chefe do departamento de atendimento à família e menores vítimas de violência no comando provincial em Inhambane, não comenta o aumento de casos de abuso sexual em Inhambane, nem revela a existência de dados oficiais.

No entanto, a responsável admite que a instituição está a aproveitar os meios de comunicação social para divulgar mensagens e linhas verdes para promover a denúncia deste tipo de crimes. 

"O que estamos a fazer agora é aproveitar as nossas rádios comunitárias existentes ao nível dos distritos, as nossas televisões e também principalmente os mercados", indica.

Assistir ao vídeo 01:52

Mulheres lutam contra a violência sexual na Tanzânia

Leia mais