Moçambique: Comissão tenta acelerar processo de DDR | Moçambique | DW | 06.05.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Moçambique: Comissão tenta acelerar processo de DDR

Em Moçambique, uma comissão mista criada no âmbito do acordo de paz assinado entre o Governo e a RENAMO está a trabalhar para acelerar a desmobilização de mais guerrilheiros do principal partido de oposição.

Guerrilheiros da RENAMO na Gorongosa (2012)

Guerrilheiros da RENAMO na Gorongosa (2012)

"Temos ainda um total de cinco bases de guerrilheiros da Renamo que devem ser encerradas, então esta comissão tem a missão de dinamizar este processo", declarou esta sexta-feira (06.05) à agência de notícias Lusa José Manteigas, porta-voz da Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO).

A comissão, que integra também técnicos do Grupo de Contacto, tem o objetivo de fazer um inventário nas bases da RENAMO que serão desativadas nos próximos tempos, bem como remover obstáculos que têm estado a atrasar o processo, com destaque para alegados atrasos das pensões dos guerrilheiros que já foram abrangidos pelo processo.

"O nosso grande desejo é ver o cumprimento deste acordo, quer da parte do Governo como da parte da comunidade internacional [que está a mediar o conflito]", frisou o porta-voz do principal partido de oposição.

Assistir ao vídeo 01:25

Abraço da paz em Maputo

Acordo de paz

O Acordo de Paz e Reconciliação Nacional de Maputo foi assinado em agosto de 2019 pelo chefe de Estado moçambicano, Filipe Nyusi, e pelo presidente da Renamo, Ossufo Momade,  prevendo, entre outros aspetos, o Desarmamento, Desmobilização e Reintegração (DDR) do braço armado do principal partido de oposição.

No quadro do Acordo de Paz e Reconciliação Nacional de Maputo, segundo dados oficiais, 63% dos cerca de cinco mil guerrilheiros da Renamo previstos já entregaram as armas e, das 16 bases daquela força política, 11 já foram desativadas.

O acordo foi o terceiro entre o Governo da Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO) e a RENAMO, tendo os três sido assinados após ciclos de violência armada, principalmente no centro do país.

Assistir ao vídeo 02:52

Moçambique: Desmobilizados da RENAMO vivem com medo

Leia mais