Moçambique: Apoio aos deslocados deve integrar quem os acolhe | Moçambique | DW | 15.06.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Moçambique: Apoio aos deslocados deve integrar quem os acolhe

As famílias de acolhimento dos deslocados da guerra em Cabo Delgado devem ser incluídas nos pacotes de apoio ao desenvolvimento de quem sofre com a violência, defende o administrador apostólico da diocese de Pemba.

"Todas as intervenções devem integrar aspetos de boa convivência entre deslocados e os locais, os apoios não devem ser canalizados só para deslocados, ignorando totalmente a população local", referiu Sandramo.

O bispo referia-se tanto à "alocação de infraestruturas" - como terrenos e materiais de construção de casas - como a outros "benefícios de desenvolvimento": devem ser "integrados deslocados e os locais".

António Juliasse Sandramo falava à Lusa depois de se ter reunido na sexta-feira com consultores da Agência de Desenvolvimento Integrado do Norte (ADIN), entidade estatal que está a traçar planos para o desenvolvimento social e económico de Cabo Delgado. 

Assistir ao vídeo 02:18

Cabo Delgado: Pemba espera por mais deslocados de Palma

Segundo afirmou, na perspetiva, da igreja a ADIN deve contribuir para uma boa convivência social entre deslocados e locais. "A necessidade de haver segurança" está "acima de tudo" e assim aponta uma prioridade: "Que não se alargue cada vez mais o conflito militar que existe na província de Cabo Delgado".

Promover o diálogo

O prelado disse que promover o diálogo com muçulmanos e no seu seio é uma das chaves para travar a violência armada. Para tal, defende "o diálogo com irmãos muçulmanos e [entre] eles mesmos, nas suas várias vertentes e famílias, [para que] encontrem caminhos também de dialogar com a juventude e demonstrar que a verdadeira face da religião islâmica não combina com a violência".

"Tudo o que é violento e extremista não é a verdadeira face [do islamismo]", sublinhou. "Estamos todos juntos nesta busca da paz", destacou.

Juliasse Sandramo lembrou ainda que sem segurança os investimentos retraem-se ou recuam, dando como exemplo o atual momento, em que vários projetos criados para Cabo Delgado pararam devido aos ataques armados de insurgentes. "Se não houver segurança, é difícil haver algum investimento. Alguns investimentos estão parados justamente por causa de insegurança", acrescentou.

Grupos armados aterrorizam Cabo Delgado desde 2017, sendo alguns ataques reclamados pelo grupo jihadista Estado Islâmico. Os ataques e confrontos com militares moçambicanos já provocaram mais de 2.800 mortes segundo o projeto de registo de conflitos ACLED e 714.000 deslocados de acordo com o Governo moçambicano.

Leia mais