Moçambique: Adiada chegada da força militar da SADC? | Moçambique | DW | 14.07.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Moçambique: Adiada chegada da força militar da SADC?

A chegada a Moçambique da força regional da Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral, SADC, para apoio do combate ao terrorismo poderá já não acontecer na quinta-feira, 15 de junho.

Symbolbild Ruanda Militär Karenzi Karake verhaftet

O envio de soldados ruandeses a Moçambique incomoda a SADC

Várias fontes em Maputo afirmam que a força em estado de alerta para apoiar no combate ao terrorismo na província nortenha de Cabo Delgado não desembarca na quinta-feira,15 de julho, conforme originalmente agendado. A indicação de que a chegada das tropas internacionais da SADC poderá ser adiada não foi ainda comentada pelas autoridades moçambicanas.

Uma das razões apontadas para o atraso é a não conclusão de detalhes finais em relação a um acordo com Maputo sobre o envio da força. Algumas fontes referem também que falta acertar pormenores logísticos. Ryan Cummings, analista da consultoria Risk Signal, na África do Sul, disse à DW que Moçambique "não quer perder o controlo sobre as operações de contrainsurgência para a SADC", o que poderá complicar o envio das tropas.

No domingo, o Ministro da Defesa, Jaime Neto, disse a jornalistas que uma missão constituída por quatro oficiais do Botsuana tinha chegado a Cabo Delgado para preparar o envio da força da SADC, e que os prazos estavam a ser cumpridos conforme o acordado.

Afrika Mosambik Ankunft des ersten humanitären Brückenfluges nach Cabo Delgado

Críticos dizem ser mais urgente enviar ajuda humanitária do que soldados para Cabo Delgado

Moçambique precisa de ajuda militar

O envio da força foi decidido numa cimeira extraordinária de Chefes de Estado e de Governo da organização realizada em junho último.

Dércio Alfazema disse à DW que o assunto do terrorismo em Cabo Delgado é urgente. O analista encara o eventual adiamento da chegada da força com alguma preocupação, sobretudo por causa do mau estar manifestado pela África do Sul pelo facto do Ruanda ter enviado as suas tropas a Moçambique antes da SADC.

Alfazema considera que há outros fatores que podem resultar, igualmente, num eventual atraso. "É preciso ter em conta que uma intervenção da SADC vai carecer necessariamente de apoios para as questões logísticas. Parece que esta questão não está bastante clarificada. Temos também o facto da África do Sul, que é o país que tem uma maior robustez militar e o maior poder económico a nível da região, estar a debater-se com uma crise interna, por conta da prisão do [antigo Chefe de Estado] Jacob Zuma".

BG I Alltag und Militarismus in Cabo Delgado

Há atrocidades cometidas pelos dois lados do conflito

Tropas do Ruanda em Moçambique incomodam SADC

O analista Borges Nhambire concorda que a chegada das tropas do Ruanda a Moçambique antes da força da SADC criou um ambiente de desconfiança e desconforto no seio da organização. Mas considera que um eventual adiamento "não tem grande significado no que diz respeito ao envio ou não das tropas".

Para Nhamire, o atraso, a acontecer, resulta de questões operacionais e de organização. "Não é uma questão que vai impedir o envio das tropas. Ou seja, dias mais ou dias menos, as tropas da SADC serão enviadas para Cabo Delgado".

Dércio Alfazema admite que "Moçambique, como país que tem a responsabilidade de estar na linha da frente em termos de busca de soluções e alternativas e apoios necessários para fazer face à situação de Cabo Delgado, não podendo contar com uma prontidão imediata da SADC, claramente vai continuar a buscar apoios bilaterais dentro e fora da região da SADC".