Moçambique: 4 anos depois, rapto de albino continua por esclarecer | Moçambique | DW | 06.06.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Moçambique: 4 anos depois, rapto de albino continua por esclarecer

Família de albino raptado há quatro anos queixa-se da inércia das autoridades na resolução do caso. Polícia diz que a investigação está agora nas mãos da Procuradoria.

Pedro Francisco César continua à espera de notícias sobre o rapto do seu irmão

Pedro Francisco César continua à espera de notícias sobre o rapto do seu irmão

Augusto César, um cidadão moçambicano com albinismo, foi raptado há mais de quatro anos. Até hoje, desconhece-se o seu paradeiro e quem o raptou. A família do jovem diz que a polícia prometeu esclarecer o caso, mas ainda não há resultados.

"Passaram quatro anos desde o dia em que desapareceu até agora, e não temos nenhuma informação satisfatória'', diz Pedro Francisco César, o irmão mais novo de Augusto.

César, também albino, acrescenta que a família colaborou sempre com as autoridades na investigação do rapto e chegou mesmo a denunciar alguns suspeitos, que nunca foram levados à Justiça.

Ouvir o áudio 03:17

Moçambique: Rapto de albino por esclarecer

"Os suspeitos ainda estão livres. Não se investiga nada, está tudo estático. Nós [a família] ficamos dececionados pelo modo como funcionam as autoridades."

No entanto, a família do jovem raptado a 17 de dezembro de 2014 ainda tem fé na divulgação de esclarecimentos sobre o caso.

Ativistas descontentes

Na província nortenha de Nampula, a perseguição, rapto e assassinato de pessoas albinas deixou de ser tema de conversa no seio da população, mas os albinos consideram que ainda não venceram a batalha, afirma Pedro Francisco César em entrevista à DW África.

César também é membro da Associação "Amor à Vida", uma organização que defende os albinos moçambicanos.

"Acredito que reduziram [as perseguições e raptos de albinos], mas não digo que acabou. Nunca se sabe. Talvez as pessoas que fazem isso estejam a traçar novas estratégias: como fazer e onde fazer'', refere.

Mosambik Polizeistation in Nampula

Polícia em Nampula diz que caso de Augusto César está nas mãos da Procuradoria

Caso nas mãos da Procuradoria

Entretanto, a polícia moçambicana em Nampula esclarece que o processo de Augusto César já não está nas mãos da corporação, mas sim da Procuradoria da República.

"Este caso já não está sob alçada da polícia", afirma Zacarias Nacute, porta-voz do Comando Provincial da Polícia da República de Moçambique em Nampula.

"A polícia é a primeira instância a lidar com os casos criminais. No entanto, após a polícia fazer o seu trabalho, esses casos são entregues a outras instâncias de controlo social - falo da Procuradoria - que dão prosseguimento aos casos para apurar a veracidade e todos os outros intervenientes da ação criminal." 

Esta não é a primeira vez que a polícia, depois de garantir que está a investigar um crime, remete o caso a outras instâncias judiciais. O caso mais recente diz respeito ao assassinato do antigo edil de Nampula, Mahamudo Amurane - as autoridades policiais disseram ter feito tudo ao seu alcance e que não lhes compete prosseguir com o esclarecimento do crime, porque o processo foi remetido a instâncias superiores.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados