Moçambicanos exigem paz | Moçambique | DW | 29.08.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Moçambicanos exigem paz

Centenas de pessoas marcharam nas ruas da capital moçambicana para exigir o fim dos confrontos no país. Os manifestantes pediram também a responsabilização dos autores de dívidas milionárias garantidas pelo Estado.

A Praça da Independência, em Maputo, encheu-se de gente. Foi aí que, no sábado (27.08), convergiram centenas de manifestantes para exigir o fim da crise económico-financeira no país e dos confrontos entre as Forças de Defesa e Segurança e homens armados da Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO).

Foram lidas mensagens, ouviram-se discursos de ocasião e dezenas de pessoas cantaram "povo no poder, povo no poder", juntamente com o rapper moçambicano Azagaia.

Friedensmarsch in Maputo Mosambik Salomao Muchanga

Salomão Muchanga, líder do Parlamento Juvenil

O Parlamento Juvenil pediu uma maior participação da sociedade civil nas decisões políticas.

"Queremos a sociedade moçambicana na mesa do diálogo e que o processo de revisão da Constituição seja um processo inclusivo e participativo", disse Salomão Muchanga, líder do movimento de advocacia em prol dos direitos e prioridades da juventude, que organizou a marcha.

Dívidas

Durante a marcha, os manifestantes denunciaram também o aumento do custo de vida no país, que torna a "vida difícil", e houve ainda apelos à responsabilização dos autores de dívidas milionárias garantidas pelo Governo à revelia do Parlamento e dos parceiros internacionais.

Para Salomão Muchanga, é urgente que a Procuradoria-Geral da República (PGR) responsabilize os autores da dívida de 850 milhões de dólares garantida pelo Estado a favor da Empresa Moçambicana de Atum: "A dívida da EMATUM é privada, tem dono".

"Queremos que a PGR não se limite a lamentar, como lamenta o povo, mas tome uma posição enérgica", afirmou Muchanga.

Salomao Muchanga Marsch Demonstration Frieden Mosambik

Sociedade civil pede para participar na mesa de diálogo

Em julho, a Procuradoria reconheceu publicamente que houve uma violação da lei orçamental face à inobservância dos limites legais nas garantias concedidas pelo Estado a favor não só da empresa EMATUM, mas também da Proindicus e da Mozambique Asset Management, ambas ligadas ao setor da defesa marítima. Segundo a PGR, esta violação implicaria um ilícito criminal na forma de abuso de cargo ou função.

Os contornos das dívidas garantidas pelo Estado em 2013 e 2014 a favor das três empresas estão a ser investigados pela Procuradoria e pelo Parlamento.

Vários políticos, académicos e religiosos aconselharam, através da imprensa pública, que a marcha de sábado não se realizasse, considerando-a inoportuna, argumentando que o diálogo para a paz está em curso, que a crise económico-financeira é internacional e que a questão das garantias concedidas pelo Estado às dívidas das três empresas está a ser investigada.

Mas para a Presidente da Liga dos Direitos Humanos, Alice Mabota, "se eles fossem bons políticos, eles é que deviam protestar e organizar as marchas, para as pessoas exigirem os seus direitos."

Ouvir o áudio 03:14
Ao vivo agora
03:14 min

Moçambicanos exigem paz

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados