Moçambicanos exigem auditoria dos bens doados às vítimas do ciclone Idai | Moçambique | DW | 26.03.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Moçambicanos exigem auditoria dos bens doados às vítimas do ciclone Idai

Há quem desconfie da gestão que as instituições do Estado estão a fazer do que é doado. No centro da desconfiança está o INGC, que apoia as vítimas de catástrofes naturais.

Numa iniciativa inédita em ações de solidariedade, os moçambicanos têm estado a reivindicar uma maior vigilância e auditoria dos bens que estão a doar às vítimas do ciclone Idai.

A desconfiança atingiu tal ponto que há até gente nas redes sociais a apelar para que o apoio não seja canalizado diretamente para o Governo, alvo de maior suspeita.

No caso da campanha de solidariedade nacional denominada "Unidos pela Beira" foi feita uma auditoria, segundo um dos mentores, Carlos Serra Jr.

"A KPMG é que fez a auditoria na partida. Auditaram todo o processo por uma razão de transparência. Isso é garantido. Agora, quanto à chegada não posso falar, mas acredito que sim, que tenham, sido criadas as condições para o efeito", explica.

Má fama de Moçambique gera receio

A ajuda mobilizada foi tanta a ponto de encher 76 contentores que chegaram esta terça-feira (26.03) à cidade da Beira por via marítima. Mas a falta de transparência, a corrupção, o desvio de fundos e bens e a ausência de prestação de contas são uma marca forte em Moçambique, que dão até fama internacional ao país, o que faz aumentar os receios.

Ouvir o áudio 05:11

Moçambicanos exigem auditoria de doações às vítimas do ciclone Idai

A partir do momento em que houve a largada do navio a 22 de março, a responsabilidade pela distribuição passou para outras mãos.

"O INGC é a entidade coordenadora, obviamente que é a porta de entrada. Obviamente que não há como escapar a isso. Temos que comunicar porque numa situação destas de estado de emergência tem de haver uma estrutura no local que congrega e articula a ação de todas as outras, se não vamos ter ajudas a dobra num sítio e não a outro ou a dispersão de alguns meios que poderiam fazer a diferença de forma organizada e concertada", afirma Carlos Serra Jr.

De acordo com o Centro de Integridade Pública (CIP), embora o Tribunal Administrativo faça auditorias às contas da instituição, não tem sido dado a conhecer os seus resultados. A ONG entende que o Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC) é passível de ser usado para atos de má gestão e corrupção porque recebe inúmeras ajudas para vítimas de catástrofes naturais.

Desconfianças em torno do INGC

O INGC é uma instituição alvo de grandes desconfianças no que concerne à transparência no capítulo da gestão de fundos. Há cerca de dois anos, foi proposta a criação de uma unidade interna de controlo no INGC, mas que parece não ter passado de intenção.

Mosambik Idai Zyklon (Reuters/M. Hutchings)

Destruição causada pelo ciclone Idai em Moçambique

"Não sabemos se a entidade já foi criada, quais são as suas atribuições e competências. Se é que ela existe, depois deste clamor todo [por transparência] no contexto das desconfianças, penso que o INGC já devia ter aparecido a esclarecer que já tem um órgão que faz esta atividade, que é um órgão autónomo e que até mesmo a diretora do INGC não tem capacidade de influenciar o trabalho desse órgão. Nós esperávamos que o INGC fizesse isso", declara o pesquisador do CIP Baltazar Fael.

Acirram as desconfianças do cidadão vários factores, a destacar dois: o escândalo sem igual das dívidas ocultas que praticamente deixou Moçambique arruinado em todos os aspetos e o facto deste ser um ano de eleições e haver por isso uma necessidade extraordinária de meios financeiros para suportar os gastos com ela, numa altura em que o Governo tem os cofres vazios.

O CIP prefere não especular sobre as más intenções ligadas ao pleito eleitoral, mas especula sobre outros pontos.

"De alguma forma pode-se dizer que é um Governo que está de saída. São ministros que vão deixar os seus cargos e a tendência é de saírem com alguma coisa que garanta no futuro a sua sobrevivência, porque vão deixar de ter acesso aos recursos públicos e vão ter, de alguma forma, de buscar outros meios de sobrevivência", avalia Fael.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados