MISA contra nomeação de novo PCA para Televisão Pública de Moçambique | Moçambique | DW | 16.02.2018

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

MISA contra nomeação de novo PCA para Televisão Pública de Moçambique

MISA-Moçambique vai submeter ao Tribunal Administrativo um pedido de impugnação da recente nomeação do PCA da televisão pública por ter violado a Constituição da República para além de levantar outras preocupações.

O Instituto para a Comunicação da África Austral, MISA-Moçambique, apela ao Governo para revogar a nomeação da última terça-feira (13.02) de Armando Inroga para o cargo de Presidente do Conselho de Administração da televisão pública, a TVM.

O Oficial de Programas do MISA-Moçambique, Lázaro Mabunda, disse à DW África que a sua associação vai avançar ainda na próxima segunda-feira (19.02) com um pedido de impugnação desta nomeação junto do Tribunal Administrativo.

O MISA-Moçambique considera que a nomeação de Inroga, um economista, antigo ministro da Indústria e Comércio e político sem nenhum histórico na comunicação social "constitui um golpe e revês na ambição do país caminhar rumo à liberdade de imprensa e de expressão, sobretudo à independência e imparcialidade dos órgãos do setor de comunicação do setor público". Considera também que ao nomear um político para este cargo, o Governo está a emitir um sinal preocupante ao ambiente de acuação dos órgãos do setor público e a minar todo o esforço de democratização das instituições públicas, particularmente dos órgãos de informação.

Eleições aproximam-se

Lázaro Mabunda, investigativer Journalist aus Mosambik

Lázaro Mabunda

Lázaro Mabunda vai mais longe ao afirmar que "estamos em vésperas de eleições autárquicas este ano e gerais no próximo ano. Se mesmo colocando pessoas ligadas à área de comunicação social que não são políticos já há queixas de que os órgãos de comunicação social são muito controlados pelo poder político estamos a imaginar num contexto em que colocam um político, um ex-governante, um ex-ministro para um cargo como este".

Depois de lembrar que Moçambique está a viver um clima de tensão político-militar que se tenta resolver Lázaro Mabunda acrescenta que "num contexto destes em que a oposição reclama sobre a questão da partidarização das instituições públicas e do Estado devia ser evitado nomear um público para um órgão de informação do setor público".

Violação da Constituição

Ouvir o áudio 02:30

MISA contra nomeação de novo PCA para televisão pública de Moçambique

Lázaro Mabunda destacou que a nomeação de Armando Inroga violou a Constituição da República, ao não observar o artigo 50° da lei mãe o qual estabelece que o Conselho Superior de Comunicação Social intervem na nomeação e exoneração dos diretores-gerais dos órgãos de comunicação social do setor público.

A DW África colheu a reação do Presidente do Conselho Superior de Comunicação Social, Tomás Vieira Mário, a esta contestação do MISA-Moçambique.

"Nós não temos qualquer expediente do Governo comunicando-nos ou pedindo o nosso parecer acerca dessas exonerações e nomeações. Repara que antes da nomeação do novo Presidente houve exoneração anterior. Quer num caso quer no outro a Constituição da República determina que sejamos informados ou consultados o que confirmo que não ocorreu".

Leia mais