Ministro do Petróleo de Angola à caça de investidores na Alemanha | Angola | DW | 03.12.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Ministro do Petróleo de Angola à caça de investidores na Alemanha

Em Berlim, ministro dos Recursos Minerais e Petróleos encontrou-se com empresários alemães. Diamantino Pedro Azevedo sublinhou diferenciais de Angola: estabilidade política, respeito pelos contratos e grande potencial.

Diamantino Pedro Azevedo no encontro com empresários alemães, em Berlim

Diamantino Pedro Azevedo no encontro com empresários alemães, em Berlim

Em Berlim, o ministro angolano dos Recursos Minerais e Petróleos, Diamantino Pedro Azevedo, acompanhado por uma grande delegação de empresários e representantes de instituições governamentais, participou num "diálogo económico" com empresários alemães, organizado pela associação das empresas alemãs com negócios em África, Afrika-Verein, esta segunda-feira (02.12).

Em entrevista à DW África, Diamantino Pedro Azevedo frisou que o objetivo é mesmo atrair o investimento alemão para Angola.

"Nós não pretendemos apenas que haja a venda de equipamentos - que nós apreciamos, conhecemos e respeitamos a qualidade dos equipamentos e maquinaria alemã - mas queremos também que empresas alemãs façam investimentos diretos em Angola", revelou.

Ouvir o áudio 05:50

Ministro angolano à caça de investidores na Alemanha

Diversificar a economia

O ministro recordou o interesse do Governo angolano em diversificar a economia e diminuir as importações, num movimento em que o setor privado atuaria como o motor da economia. Diamantino Pedro Azevedo citou uma lista de exemplos dos setores em que haveria oportunidades de negócios, começando pelos projetos estruturantes "de grande envergadura, na área da energia, na área portuária, na área aeroportuária e nas infraestruturas em geral". Segundo Diamantino Azevedo, Luanda vê também "um grande potencial na agricultura, onde houve já presença de alemães no passado" e também na saúde, "tanto na construção e apetrechamento de hospitais e centros médicos, mas também na indústria farmacêutica".

"Vemos ainda bastante potencial na agroindústria, na indústria dos recursos minerais em geral e na formação técnico-profissional, no ensino superior, na ciência e na investigação," descreveu o ministro, frisando que todo o espectro sócio-económico estaria em foco – tanto para aprofundar parcerias já existentes, como para a abertura de novas cooperações.

Berlin Diamantino Pedro Azevedo, Minister für Bodenschätze und Erdöl Angola (DW/C.V. Teixeira)

Diamantino Pedro Azevedo

Estabilidade

Segundo o ministro, a base para a concretização de negócios estaria na criação de um ambiente favorável que já conhece desenvolvimentos: "Existe um desafio que temos estado a superar que é a melhoria da governação, mais transparência na governação. O combate à corrupção que está a ser feito no nosso país. Também a implementação dos pilares da economia de mercado – isso nós estamos também a consumar através do programa de privatizações. Melhoria da legislação, a nova lei do investimento privado é um sinónimo dessas medidas", frisou.

Diamantino Pedro Azevedo mostra-se confiante de que o seu país tem diferenciais importantes para atrair os empresários alemães, além da "estabilidade política": "O nosso respeito pelos termos contratuais que assinamos e o grande potencial que temos como país – não só do ponto de vista da nossa extensão territorial, mas também do ponto de vista das condições naturais que nós temos", afirmou.

"Por outro lado, também uma população jovem ávida de participar do desenvolvimento sócio-económico do nosso país e as premissas todas que estão instaladas e que estão a ser cumpridas conforme declarado pelo Presidente da República na sua tomada de posse," acrescentou.

Berlin Wirtschaftsgespräch Angola (DW/C.V. Teixeira)

Ministro angolano é acompanhado por grande delegação

Entrar no mercado angolano

O evento atraiu dezenas de empresários alemães. Matthias Fischer-Petry do SMS Group, que atua na indústria metalúrgica e tem sede em Düsseldorf, diz que há cerca de doze anos tenta entrar no mercado angolano. Por meio de parcerias, quer participar no projeto para exploração de minério de ferro e produção de aço em Cassinga, na província da Huíla. Confia no sinal positivo dado pelo Governo de Angola.

"O Governo anterior tinha outro foco e outros interesses. O novo Governo é mais racional e tenta alcançar uma diversificação, o que não vimos no Governo anterior. Este Governo trabalha mais para o próprio Governo e para o povo e não mais para pessoas privadas", avaliou.

Berlin Matthias Fischer-Petry SMS Group (DW/C.V. Teixeira)

Matthias Fischer-Petry

Já Ulrich Habermehl, da empresa Merck, que atua nas indústrias química e farmacêutica e está presente em diversos países africanos, veio em busca de informações iniciais para verificar se as oportunidades em questão são adequadas para uma futura atuação da sua empresa em Angola.

"Temos agora dois novos parceiros para o país e este, para nós, é o pontapé inicial para nos tornarmos ativos em Angola e descobrir mais sobre o mercado. Queremos obter os primeiros conhecimentos e certamente, no tempo certo, vamos verificar e decidir o quanto o mercado é interessante para nós", concluiu.

A visita à Alemanha inclui três dias de programa. O ministro angolano dos Recursos Minerais e Petróleos realiza também encontros com representantes de instituições governamentais e do setor financeiro. Esta terça-feira (03.12), Diamantino Pedro Azevedo e sua delegação seguem para Frankfurt e na quarta-feira (04.12) estarão em Munique.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados