Ministro do Interior quer castigo no caso de grávidas em escola da polícia | Moçambique | DW | 02.09.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Ministro do Interior quer castigo no caso de grávidas em escola da polícia

O ministro do Interior de Moçambique prometeu esta quarta-feira (02.09) aplicar medidas disciplinares exemplares a responsáveis da Escola Prática da Polícia acusados de engravidar candidatas.

Segundo o ministro do Interior, Amade Miquidade, que falava à imprensa após um evento público na província de Inhambane, sul de Moçambique, as investigações internas mostraram que um instrutor e um agente da corporação responsável pelo asseguramento engravidaram duas candidatas a polícia na escola.

"Serão aplicadas medidas disciplinares exemplares para que se desincentive os outros a optarem por esta prática, considerando que há um código de conduta que deve ser observado", declarou o ministro.

O caso veio a público em julho passado, quando foi divulgada nas redes sociais uma ordem do comandante-geral da polícia moçambicana, Bernardino Rafael, para a instauração de um processo disciplinar contra instrutores da Escola Prática da Polícia de Matalane, província de Maputo, por suspeitas de terem engravidado jovens durante a formação.

No documento, Bernardino Rafael ordenava a suspensão dos instrutores e o regresso de, pelo menos, 15 jovens para as suas casas por estarem grávidas, assegurando a sua reintegração no curso após o parto.

As constatações

No âmbito da investigação que o Ministério do Interior realizou, segundo Amade Miquidade, constatou-se que das 15 jovens apenas duas engravidaram de relações com superiores hierárquicos (um instrutor e um agente do asseguramento), sendo que 11 engravidaram de parceiros de fora da escola enquanto faziam o curso e duas engravidaram em relações com outros colegas.

Mosambik Bernardino Rafael

Bernardino Rafael, comandante-geral da polícia moçambicana

"Com relação estes, por serem atos que foram praticados por vontade própria, deixamos ao critério dos próprios jovens e famílias. Não houve uma intervenção de caráter disciplinar. Deverão [as jovens] apenas esperar para quando estiverem em condições ingressarem no centro no próximo ano e fazer a conclusão do curso", afirmou Amade Miquidade.

Indignação

O caso levantou a indignação de várias pessoas, principalmente nas redes sociais, e várias organizações da sociedade civil moçambicana têm exigido a responsabilização dos autores.

Em declarações à Lusa, o provedor de Justiça de Moçambique também lamentou o caso, exigindo a responsabilização de quem praticou aqueles atos.

"Este é um grande revés para a vida destas raparigas e para as suas famílias, que normalmente depositam esperança nos seus filhos. Acredito que muitas delas vêm de famílias pobres. É bastante lamentável porque quando isto acontece nós estamos a condicionar o futuro das meninas", declarou Isaque Chande.

Assistir ao vídeo 01:26

Moçambique: Mulheres marcham contra abusos

Leia mais