Militante da oposição acusado de tentar matar Presidente da Guiné Equatorial | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 09.03.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Militante da oposição acusado de tentar matar Presidente da Guiné Equatorial

Um militante da Convergência para a Democracia Social (CPDS), partido da oposição na Guiné Equatorial, está em prisão preventiva após ser acusado de tentar assassinar o Presidente equato-guineense, Teodoro Obiang Nguema.

"O juiz de instrução refere 'indícios' na decisão para a prisão preventiva, mas não especifica de que se indícios se tratam, que sejam probatórios de que pudesse haver um delito como é a tentativa de assassinato", assinalou em comunicado o CPDS, que afirma ter acedido ao documento assinado por um juiz de Malabo, Óscar Besekú Eñeso.

Em 1 de março, a justiça da Guiné Equatorial ditou a prisão preventiva de Joaquín Eló Ayeto, que está numa 'cela isolada' na prisão de Black Beach, na capital, Malabo, e sobre a qual recaem várias denúncias de violações de direitos humanos.

Na véspera de ter sido presente a tribunal, o opositor referiu ter sido torturado no posto central da polícia de Malabo, onde esteve detido no final de fevereiro por ter comentado "algures", que o Presidente Obiang "não regressará do périplo que está a realizar pelo país", acrescentou o CPDS.

A organização não-governamental (ONG) EG Justice, que defende os direitos humanos da Guiné Equatorial, condenou a "detenção arbitrária" de Joaquín Eló Ayeto e exigiu ao Governo equato-guineense a sua libertação.

Karte Äquatorialguinea POR

Localização geográfica da Guiné Equatorial

No passado mês de fevereiro, os grupos de defesa dos direitos humanos denunciaram a morte de Onofre Otogo, um equato-guineense sem militância política conhecida, mas detido após o seu alegado envolvimento numa suposta tentativa de golpe de Estado, em 2017.

Em novembro de 2018, Teodoro Obiang Nguema expulsou 42 militantes do partido no poder, o Partido Democrático da Guiné Equatorial (PDGE), pelo seu alegado envolvimento no golpe, que as autoridades equato-guineenses disseram ter sido frustrado.

As autoridades acreditam que um grupo de mercenários oriundos do Chade, Sudão e República Centro-Africana entraram na Guiné Equatorial em 24 de dezembro de 2017 para atacar Obiang, uma iniciativa que o Governo associou à "oposição radical, tanto do interior como do exterior".

Obiang está há 40 anos no poder

O Presidente da Guiné Equatorial, Teodoro Obiang Nguema Mbasogo, dirige o país desde 1979, tendo chegado ao poder através de um golpe de Estado, e é o chefe de Estado há mais tempo em exercício em África.

Desde a independência de Espanha, em 1968, a Guiné Equatorial tem sido considerada pelas organizações defensoras dos direitos humanos como um dos mais países mais corruptos e repressivos do mundo. A Guiné Equatorial aderiu à Comunidade dos Países de Língua Portuguesa em 2014.

Leia mais