Milhares de libaneses protestam contra grave crise económica | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 20.10.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Milhares de libaneses protestam contra grave crise económica

Manifestantes fazem quarto dia consecutivo de protestos contra políticas de austeridade. Líder cristão abandona Governo de unidade nacional e quatro ministros renunciam.

Manifestante próxima à Ópera de Beirute, a capital libanesa

Manifestante próxima à Ópera de Beirute, a capital libanesa

Dezenas de milhares de libaneses manifestaram-se este domingo (20.10) em várias cidades do país contra o regime e a grave crise económica num dos maiores protestos antigovernamentais já realizados no Líbano.

Segundo a agência de notícias norte-americana Associated Press (AP), os manifestantes dançavam e cantavam nas ruas e alguns agitavam bandeiras libanesas a gritar: "O povo quer derrubar o regime". 

Este já é o quarto dia consecutivo de protestos espontâneos no país e devem prosseguir esta segunda-feira (21.10). Os manifestantes quiseram demonstrar a "raiva crescente contra uma classe dominante que dividiu o poder entre si e acumulou riquezas durante décadas, mas pouco fez para regenerar uma economia em ruínas e deixou as infraestruturas degradadas", diz a AP. 

A Associação de Bancos Libaneses anunciou o encerramento de todas as agências bancárias esta segunda-feira, com o objetivo de "garantir a segurança dos funcionários" durante as manifestações. Os distúrbios surgiram após o Governo propor novos impostos, como parte de medidas de austeridade, para fazer face a uma crescente crise económica. 

"As pessoas não aguentam mais", disse em Beirute o manifestante Nader Fares, que está desempregado. "Não há boas escolas, eletricidade e água", acrescentou.

Governo reage

O Governo do Líbano está numa corrida contra o tempo para apresentar um plano de resgate económico e acalmar a população. Na noite de sábado (19.10), o líder cristão libanês Samir Geagea abandonou o governo de coligação e quatro dos seus ministros renunciaram.

Libanon Demonstration & Proteste in Zouk Mosbeh

Protestos também foram realizados em Zouk Mosbeh, no norte do Líbano

Geagea, que chefia o Partido das Forças Libanesas, de direita, afirmou que já não acredita que o atual Governo de unidade nacional, liderado pelo primeiro-ministro Saad Hariri, consiga retirar o país da profunda crise económica. "Estamos agora convencidos de que o Governo é incapaz de assumir as medidas necessárias para salvar a situação. Em consequência, o nosso bloco decidiu pedir aos seus ministros para se demitirem", declarou. 

Na noite de sexta-feira, o primeiro-ministro libanês, Saad Hariri, tinha dado aos seus parceiros da coligação governamental um ultimato de 72 horas, para apoiarem as reformas económicas em curso. O país atravessa uma crise económica sem precedentes, com uma dívida que corresponde a 150% do Produto Interno Bruto (PIB). 

Na noite deste domingo, os principais partidos libaneses aceitaram as reformas económicas propostas pelo primeiro-ministro. A reforma deve ser aprovada formalmente na segunda-feira de manhã durante um conselho de ministros, que contará com a presença do presidente do Líbano, Michel Aoun. 

A principal motivação dos protestos foi a decisão do Governo de impor novos impostos, no quadro de um programa de austeridade, taxando, por exemplo, as chamadas e mensagens através da aplicação WhatsApp.

Leia mais