Massacre em escola choca os Camarões | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 26.10.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Massacre em escola choca os Camarões

Ataque de um grupo separatista a uma escola na cidade de Kumba deixa ao menos sete mortos e vários feridos. População protesta pelo fim dos confrontos nas regiões anglófonas, que já fizeram mais de 3 mil mortos.

Um ataque de um grupo separatista contra a "Escola Internacional Madre Francisca", em Kumba, no sudoeste dos Camarões, no último sábado (24.10) deixou ao menos sete mortos e uma dúzia de feridos nos Camarões, segundo números provisórios divulgados pelas autoridades.

O grupo armado teria invadido a escola quando os alunos estavam em plena aula. Segundo relatos da equipa de reportagem da DW África na região, eles abriram fogo contra os estudantes.

Se esta é uma mensagem que os separatistas quiseram transmitir ao Governo central, foi de qualquer modo muito forte e chocou o país. O povo de Kumba ainda não se recuperou das atrocidades.

"As crianças foram à escola e foram mortas. Dispararam contra elas. Estas pessoas invadiram a casa dos meus pais, levaram os telefones e os computadores portáteis. Graças a Deus que não os feriram. A situação está grave, o caso de Kumba é muito grave. Eu já nem sequer durmo”, diz uma residente da cidade identificada como Gwendoline.

Kamerun Sprachenstreit Englisch

Forças de segurança mobilizadas para combater insurgentes desde 2017

Protestos e indignação

Para Edith Kah Walla, presidente do Partido Popular Camaronês (CPP), o Governo falhou. Walla acha que quatro anos é tempo suficiente para compreender que o Governo tem uma estratégia equivocada para lidar com os conflitos nas zonas anglófonas.

"Pessoas armadas mataram crianças, não há palavras para descrever isso. Não queremos perder mais crianças. Que o Governo deixe de pensar que através da repressão haverá paz", diz a líder do CPP.

No domingo (25.10), moradores de Kumba protestaram contra os assassinatos. O ministro das Comunicações René Emmanuel Sadi disse que o objetivo dos atacantes foi impedir o regresso às aulas que tinham tido lugar nas províncias do Noroeste e Sudoeste, onde separatistas de língua inglesa estão a lutar pela independência.

As duas regiões de língua inglesa no país maioritariamente francófono tornaram-se o centro de um conflito, com os separatistas a atacar o exército e a exigir o encerramento de escritórios e escolas do Governo local.

Grupos de direitos humanos têm acusado tanto os separatistas como as tropas governamentais de matarem civis durante o conflito desde 2017. Mais de 3 mil pessoas já morreram e cerca de 700 mil deixaram suas casas.

Kamerun Nationaler Dialog in Yaounde

Tentativa de diálogo nacional no ano passado

Comunidade escolar é alvo

No ano passado, dois estudantes foram mortos por separatistas em Buea, a capital da região Sudoeste, no que teria sido uma "represália" por se oporem ao encerramento das escolas.

Em 2018, insurgentes mataram um diretor, mutilaram um professor e atacaram várias escolas secundárias. "Cerca de 700 mil jovens saíram do sistema escolar devido ao conflito", disse o analista do International Crisis Group, Elvis Ntui, à AFP.

"O governo e a sociedade civil anglófona tinham exercido muita pressão sobre os grupos separatistas para deixarem os seus filhos regressar à escola, e algumas que tinham estado fechadas durante anos tinham reaberto", acrescentou ele.

Os separatistas têm também recorrido cada vez mais a raptos e extorsões. Também juntam a estas ações um repertório de ataques à polícia e incêndios a edifícios públicos e escolas.

Assistir ao vídeo 02:53

Camarões: Reclusos aprendem a costurar máscaras para combater Covid-19

Leia mais