Marcelo Rebelo de Sousa reeleito Presidente de Portugal | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 25.01.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Marcelo Rebelo de Sousa reeleito Presidente de Portugal

No auge da Covid-19 em Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa foi reeleito Presidente da República com 60,7% dos votos na primeira volta das presidenciais. Combate à pandemia e ao extremismo estão entre as suas prioridades.

Marcelo Rebelo de Sousa: A confiança agora renovada é tudo menos um cheque em branco

Marcelo Rebelo de Sousa: "A confiança agora renovada é tudo menos um cheque em branco"

Marcelo Rebelo de Sousa venceu as presidenciais deste domingo (24.01) sem dificuldades, conquistando 60,70% dos votos na sua segunda candidatura à Presidência portuguesa, apesar da abstenção recorde.

No seu discurso da vitória, o Presidente renovou o seu compromisso com os portugueses, que querem um Presidente "que respeite o pluralismo e a diferença, um Presidente que nunca desista da justiça social", e frisou que "o mais urgente" agora é o combate à pandemia de Covid-19.

"A 2 de novembro, dia da evocação das vítimas da pandemia no Palácio de Belém, havia 2590 mortos. São agora 10.469. Para eles, assim como para os mortos não Covid, vai o meu, o nosso primeiro emocionado pensamento", disse o chefe de Estado reeleito.

"Temos de fazer tudo o que de nós dependa, mas mesmo tudo, para travar e depois inverter um processo que está a pressionar em termos dramáticos as nossas estruturas de saúde", salientou Rebelo de Sousa, reconhecendo que "os portugueses querem mais e melhor" em termos de justiça social e em gestão da pandemia. "Aconfiança é tudo menos um cheque em branco", sublinhou.

Ana Gomes em segundo

De acordo com os dados oficiais, em segundo lugar ficou a candidata independente Ana Gomes, com 12,97% dos votos. A mulher mais votada de sempre em Portugal ultrapassou, assim, o candidato da extrema-direita André Ventura, do partido Chega, que ficou em terceiro lugar com 11,90% dos votos.

Em quarto lugar ficou João Ferreira, o candidato apoiado pelo Partido Comunista Português (PCP), com 4,32% dos votos, seguido por Marisa Matias, apoiada pelo Bloco de Esquerda (BE), com 3,95%. Tiago Mayan do partido Iniciativa Liberal ficou em sexto lugar, com 3,22%, seguido do candidato independente Vitorino Silva, com 2,94%.

Portugal Wahlen

Ana Gomes ficou em segundo e não afasta uma nova candidatura

Ana Gomes admitiu que falhou a segunda volta das presidenciais, mas considerou ter alcançado o "objetivo patriótico" de "impedir que a ultradireita ascendesse a uma posição de possível alternativa". "Mantenho a condição de militante de base do PS e não desistirei nunca de fazer tudo que for preciso para servir a democracia", salientou ainda a candidata, que concorreu às presidenciais sem o apoio oficial dos socialistas.

Durante a campanha eleitoral, André Ventura tinha prometido que se demitiria se ficasse abaixo de Ana Gomes. Mas no seu discurso sobre o resultado eleitoral, disse que a decisão cabe agora aos militantes do partido. "Não fugirei à minha palavra e devolverei aos militantes do Chega a palavra sobre se querem ou não a continuidade deste projeto à frente deste partido", declarou.

Presidente de Cabo Verde felicita vitória "expressiva"

O Presidente cabo-verdiano, Jorge Carlos Fonseca, já felicitou Marcelo Rebelo de Sousa pela "vitória eleitoral expressiva" nas presidenciais em Portugal, descrevendo-o como um "amigo de Cabo Verde", e disse esperar um reforço das relações bilaterais.

Numa mensagem divulgada pelo chefe de Estado cabo-verdiano na sua conta oficial na rede social Facebook, Jorge Carlos Fonseca assume o objetivo de "juntos" continuarem a trabalhar "para a consolidação das relações entre Cabo Verde e Portugal e no quadro da CPLP [Comunidade de Países de Língua Portuguesa]".

"Reeleito um Presidente que, inegavelmente, é amigo de Cabo Verde e que tem contribuído para o reforço da amizade e da cooperação entre os dois países", afirmou Jorge Carlos Fonseca.

Assistir ao vídeo 06:21

Presidência portuguesa da UE voltará holofotes para África