Maputo celebra 134 anos com críticas às promessas da edilidade | Moçambique | DW | 10.11.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Maputo celebra 134 anos com críticas às promessas da edilidade

Maputo comemora esta quarta-feira 134 anos de elevação à categoria de cidade sob fortes críticas ao presidente do município. Eneas Comiche não está a cumprir as promessas de melhorar os transportes e o saneamento.

No aniversário do município de Maputo, os munícipes não poupam críticas à edilidade liderada por Eneas Comiche por não cumprir as promessas eleitorais. Os munícipes esperam, até agora, pela melhoria das vias de acesso e dos transportes públicos.

"Por enquanto não estamos a ver nada. Esperávamos ter mais carros para podermos usar. É muito difícil esperar por um autocarro aqui", diz um cidadão ouvido pela DW África.

"Penso que tem de haver uma intervenção de raíz e fazermos coisas com durabilidade e em que a gente diz são dez anos em que nós andamos à vontade", sugere outro munícipe.

"Não temos autarquia, afinal estes impostos que o município cobra são para que fins?", pergunta ainda outro morador de Maputo.

Comiche não fez o que prometeu

Os munícipes também esperam pela melhoria das condições para a venda informal, saneamento do meio e das vias de acesso. Desde que o edil Eneas Comiche está no poder, há quase três anos, não efetuou obras de vulto.

Eneas Comiche

Aumentam as críticas ao edil Eneas Comiche

Por tudo isto, o politólogo Dércio Alfazema considera que o edil de Maputo está a revelar poucas capacidades para dirigir o município. "Nestes três anos de Comiche, ele não está a demonstrar capacidades que já havia demonstrado no passado e Maputo também está a ressentir-se de alguma falta de financiamento", diz.

A capital de Moçambique tem uma população estimada em mais de um milhão de habitantes. As vias de acesso, os transportes públicos e o mercado informal foram as grandes promessas para que a cidade voltasse a ser uma das mais limpas e organizadas do país.

No entanto, segundo Alfazema, Maputo "está a ser cada vez mais atrasada não está a conseguir manter aquela imagem da capital do país uma cidade em que as estradas estão cada vez mais esburacadas e os mercados estão a ser difícil de reorganizar."

Onde está o metro de superfície?

Eneas Comiche prometeu um metro de superfície para a zona metropolitana de Maputo e transporte suspenso do projeto FUTRAN, estimado em 250 milhões de dólares. As obras deviam ter começado em setembro, no entanto, até agora, o projeto não saiu do papel.

Mas o antigo membro da assembleia municipal de Maputo Philipe Gagnaux ainda acredita "que vai acontecer o tal metro suspenso. Só não sei se vai ser suficiente para drenar todo o afluxo de pessoas que se dirigem ao centro da cidade e tem também que regressar as suas casas."

O também médico e líder da agremiação social Juntos Pela Cidade lembrou que a edilidade prometeu encerrar a lixeira de Hulene, mas "não conseguiu". Também "falou de uma fábrica de incineração, não fez. Nas ultimas eleições prometeu resolver esse problema, mas não está a conseguir", lembra. "Mas há outros aspetos que vai tentando cumprir e muitas vezes não depende de nós", conclui.

Uma visita à estação de comboios de Maputo

Leia mais