″Manuel Vicente terá perdão automático se processo for para Angola″ | Angola | DW | 08.01.2018

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

"Manuel Vicente terá perdão automático se processo for para Angola"

Poderá o ex-vice-Presidente angolano não ser julgado em Portugal no âmbito da Operação Fizz? O jurista português Rui Verde avalia esta possibilidade.

Manuel Vicente é atualmente deputado na Assembleia Nacional

Manuel Vicente é atualmente deputado na Assembleia Nacional

O Presidente da República de Angola, João Lourenço, afirmou esta segunda-feira (08.01), em Luanda, que não está satisfeito com o tratamento que as autoridades portuguesas estão dando ao processo contra o ex-vice-Presidente angolano, Manuel Vicente – acusado de branqueamento de capitais, entre outros crimes, em Portugal.

Numa conferência de imprensa, Lourenço disse também que a relação entre os dois países vai "depender muito" da resolução deste caso.

O início do julgamento do ex-vice-Presidente angolano Manuel Vicente está marcado para 22 de janeiro, no Tribunal Judicial de Lisboa. Entretanto, as autoridades angolanas afirmam que estão a estudar junto à justiça portuguesa a possibilidade de transferência do caso para a justiça de Angola.

Segundo o ministro da Justiça e dos Direitos Humanos angolano, Francisco Queiroz , acordos no âmbito da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) possibilitam que processos dessa natureza sejam transferidos.

Rui Verde

Rui Verde: "Transferência vai pôr em causa o combate à corrupção em Portugal e em Angola"

Em entrevista à DW África, o jurista português Rui Verde confirma a validade desses acordos de cooperação judiciária, mas alerta que o caso de Manuel Vicente deve ser julgado em Portugal.

Rui Verde explica que "os crimes que o ex-vice-Presidente é acusado não foram cometidos enquanto no exercício de cargos políticos, mas na vida privada dele. Portanto, não há aqui imunidade nenhuma, nem soberania nenhuma em termos legais".

DW África: Há, de facto, uma possibilidade jurídica, como, por exemplo, no âmbito da CPLP, que poderia transferir o processo contra Manuel Vicente de Portugal para Angola?

Rui Verde (RV): Sim, existe um protocolo de cooperação judiciária. E no âmbito desse protocolo pode existir essa transferência, sim.  

DW África: Se este processo for transferido, acha que vai haver rigor por parte da justiça angolana no tratamento do caso?

RV: A questão é diferente. É que em Angola há a chamada Lei de Amnistia, que foi aprovada em novembro de 2016 e que amnistia todos os crimes que tenham acontecido antes e punidos com uma pena de até 12 anos de prisão. Parece-me que os crimes de que o Manuel Vicente é acusado têm todos uma pena inferior a 12 anos de prisão. A partir do momento que o processo vai para os tribunais angolanos, esses tribunais são obrigados pela Constituição a aplicar a lei mais favorável, e neste caso é a Lei de Amnistia. Resultado: o Manuel Vicente sai amnistiado; tem uma espécie de perdão automático. E não é uma questão de os juízes angolanos serem bons ou serem maus, ou desconfiarmos deles ou não desconfiarmos. É uma questão de a lei angolana exigir que o processo seja amnistiado. Isto quer dizer "acabou”. Obviamente que esta é a solução política ideal. Portugal finge que entregou o processo seguindo os trâmites judiciais – o que é verdade – e Angola resolve o problema através da Lei da Amnistia. Em termos formais, resolve-se o problema.

Ouvir o áudio 03:17

"Manuel Vicente terá perdão automático se processo for para Angola"

DW África: O Governo angolano trata a operação Fizz como um caso político, de soberania. Seria essa uma estratégia para proteger o seu ex-vice-Presidente?

RV: Obviamente que é uma estratégia para proteger o ex-vice-Presidente, porque do ponto de vista jurídico não tem razão. Desse ponto de vista, o processo tinha que ser julgado em Portugal, porque os crimes que o ex-vice-Presidente é acusado não foram cometidos enquanto no exercício de cargos políticos, mas na vida privada dele. Estão relacionados com a compra de um apartamento em Estoril, em Portugal. Portanto, não há aqui imunidade nenhuma, nem soberania nenhuma em termos legais. O que há é uma luta política e a solução parece ser este arranjo de utilizar a transferência de processos, que efetivamente é permitida de acordo com os protocolos de cooperação judiciária, mas que tem como resultado a amnistia automática do ex-vice-Presidente.

DW África: Se Portugal não ceder à transferência desse processo, como acha que vai ficar a relação entre os dois países?

RV: Na realidade acho que não afeta muito a relação, isto é tudo muito barulho. A relação entre os dois países é de interesse económico e financeiro. Angola necessita de Portugal tal como Portugal necessita de Angola. Portanto, na realidade, o que estamos a assistir é muito barulho, mas sem grande implicações práticas.

DW África: Portanto, mais vale Portugal julgar o caso no país do que transferi-lo?

RV: Acho que isto vai da transparência da justiça de combate à corrupção que se anuncia quer em Portugal, quer em Angola. Era o resultado que tinha que acontecer, o julgamento em Portugal.  Tudo que não seja isso é fugir a esses símbolos e bandeiras que agora estão exibidos por esses países.

Leia mais