Mais de 650 detidos em protestos no Chade | NOTÍCIAS | DW | 29.04.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Mais de 650 detidos em protestos no Chade

Protestos de terça-feira (29.04) contra a subida ao poder do filho do falecido Presidente Idriss Déby foram reprimidos pela polícia e resultaram em pelo menos seis mortes.

Houve "653 detenções" durante as manifestações de terça-feira, afirmou esta quinta-feira (29.04) o procurador de N'djamena, Youssouf Tom, em declarações à agência de notícias France Presse (AFP). Alguns, acrescentou, "estão em processo de serem apresentados à justiça, a maioria deles já foram, e muitos já foram libertados". Na quarta-feira, ainda segundo o procurador, outras 58 pessoas foram presas.

A oposição e a sociedade civil consideram que foi um "golpe institucional" e uma "sucessão dinástica", aquilo que aconteceu no país, com o filho do falecido Presidente Idriss Déby Itno, Mahamat Idriss Déby, a tomar o poder, liderando o Conselho Militar de Transição (CMT), que concentra quase todos os poderes. 

A oposição apelou a manifestações contra a situação na terça-feira, mas os protestos foram proibidos pelas autoridades militares. As manifestações foram reprimidas, resultando na morte de seis pessoas em N'djamena e no sul do país, de acordo com as autoridades, nove de acordo com uma ONG local.

No tribunal superior de N'Djamena, dezenas de manifestantes foram trazidos esta quinta-feira em veículos da polícia, de diferentes esquadras e distritos da capital, relatou a AFP. Desde quarta-feira de manhã, são apresentados à vez nos gabinetes do procurador e dos seus adjuntos, explicou um dos advogados, Rimt Guarambaye.

Contestação também visa França

Tschad N'Djamena | Proteste und Gewalt

Patrulha policial após o protesto em N'Djamena, na terça-feira.

A maioria dos apelos à manifestação foram também contra a política de França, que é acusada de apoiar o novo poder desde que o Presidente francês, Emmanuel Mácron, se deslocou a N'Djamena para se encontrar com as novas autoridades de transição no país, por ocasião do funeral do marechal Déby. Foi o único chefe de Estado ocidental que se deslocou ao país depois dos acontecimentos. O Presidente francês condenou "de forma veemente" a repressão das manifestações de terça-feira. Um novo apelo para manifestações foi lançado na quarta-feira de manhã, mas foi pouco seguido.

Assim que o Exército anunciou a morte, alegadamente em combate contra grupos rebeldes, do Presidente do Chade, Idriss Déby, na semana passada, o seu filho Mahamat, tenente-general e chefe da guarda presidencial, assumiu o comando do CMT, composto por mais 14 generais, todos eles próximos do seu pai, e revogou a Constituição e dissolveu o Governo e a Assembleia Nacional.

Mahamat Idriss Déby prometeu "eleições livres e democráticas" em 18 meses. Na segunda-feira, foi nomeado o primeiro-ministro transitório, que foi chefe de um anterior Executivo sob a Presidência de Idriss Déby.

Leia mais