Mais ajuda humanitária chega à região do Tigray | Política | DW | 04.09.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Política

Mais ajuda humanitária chega à região do Tigray

Nos últimos dois dias mais de 150 camiões de ajuda humanitária chegaram à região do Tigray, na Etiópia, anunciaram hoje as autoridades etíopes.

Segundo da Organização das Nações Unidas (ONU), milhões de pessoas correm o risco de morrer de fome na região separatista de Tigray, no norte da Etiópia, que está mergulhada num conflito armado há meses.

Na semana passada, as autoridades etíopes fizeram esforços "para coordenar melhor e facilitar o movimento de ajuda humanitária" para Tigray, afirmou o Ministério da Paz etíope num comunicado divulgado na rede social Twitter. 

Cerca de 500 camiões chegaram a Tigray na semana passada, incluindo 152 nos últimos dois dias, lê-se na nota divulgada.

Segundo as estimativas, 5,2 milhões de pessoas, isto é, 90% da população do Tigray, precisa de assistência urgente, das quais 400.000 se confrontam com condições próximas do limiar da fome.

Äthiopien I Situation in Tigray

90% da população do Tigray precisa de assistência urgente

O coordenador humanitário interino da ONU para a Etiópia, Grant Leaity, alertou na quinta-feira para o facto de que a situação "pioraria dramaticamente" e pediu a todas as partes para que permitissem a entrega de ajuda "para evitar esta catástrofe iminente".

"Milhões de pessoas correm o risco de morrer de fome, incluindo 1,7 milhões nas regiões de Afar e Amhara", disse Leaity, advertindo que "os stocks de ajuda humanitária, dinheiro e combustível estão em níveis muito baixos ou completamente esgotados".

Apelos da UA

A União Africana, que tem a sua sede em Adis Abeba, também exortou, na sexta-feira, o Governo etíope a fazer mais para evitar a fome na região devastada por dez meses de conflito.

Em novembro de 2020, o primeiro-ministro etíope, Abiy Ahmed, enviou o exército a Tigray para depor as autoridades regionais da Frente de Libertação do Povo Tigray (TPLF), que segundo ele, atacam as bases militares federais.

 O Prémio Nobel da Paz de 2019 anunciou uma vitória rápida, mas o conflito manteve-se e estendeu-se às regiões vizinhas de Afar e Amhara, mergulhando a região numa grave crise humanitária.

 As autoridades etíopes e os rebeldes do Tigray acusam-se mutuamente de impedir os comboios de ajuda humanitárias de chegarem à região.

Assistir ao vídeo 01:34

Tigray: O conflito na Etiópia que já faz milhares de refugiados