Magistrados argelinos prometem boicotar presidenciais | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 14.04.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Magistrados argelinos prometem boicotar presidenciais

Mais de 100 magistrados participaram de protesto no sábado (13.04) em apoio aos manifestantes. Sociedade civil alerta para o endurecimento da repressão policial.

Algerien Anti-Regierungsproteste in Algier (Getty Images/AFP)

Confronto entre forças de segurança e manifestantes em Argel

Os magistrados da Argélia, que desempenham um papel fundamental na supervisão das eleições do país, disseram este sábado (13.04) que boicotariam a eleição presidencial de 4 de julho em apoio ao movimento de protesto.

Mais de 100 magistrados participaram de um protesto em frente ao Ministério da Justiça em resposta a uma iniciativa do Clube dos Magistrados - um grupo emergente criado como uma alternativa ao Sindicato Nacional de Magistrados do regime.

"O Clube dos Magistrados decidiu boicotar a tarefa de supervisionar a eleição presidencial", disse Saad Eddine Merzoug, um juiz de El Oued, no sudeste do país.

Merzoug afirmou que o novo órgão tem membros em todos os tribunais do país, sem especificar números.

Segundo a Liga Argelina para a Defesa dos Direitos Humanos, vários ativistas foram presos no sábado, enquanto se preparavam para voltar ao principal local de protestos na capital, condenando a ação.

Said Salhi, vice-presidente da Liga, observou que o clima era diferente em comparação à sexta-feira (12.04).

Abdelkader Bensalah wird Interimspräsident von Algerien (Reuters/R. Boudina)

Abdelkader Bensalah

"Geralmente [as manifestações] começam alegremente, mas havia um desejo por parte das autoridades de limpar a área", disse, acrescentando que o ponto de virada aconteceu dias antes, quando a polícia tentou pela primeira vez dispersar uma manifestação estudantil em Argel com gás lacrimogêneo e canhão de água.

Os manifestantes prometeram continuar com os protestos contra o Governo interino de e as eleições planejadas para 4 de julho, argumentando que os líderes que emergiram do "sistema" Bouteflika não podem garantir votações livres e justas.

Aumento da repressão

Os protestos inicialmente calmos da passada sexta-feira (12.04), no centro de Argel, deterioraram-se e transformaram-se na pior violência de rua desde que as manifestações começaram em meados de fevereiro, exigindo o fim do mandato de 20 anos do então Presidente Abdelaziz Bouteflika, que renunciou em 2 de abril.

A polícia disparou jatos de água e gás lacrimogêneo contra os manifestantes que, por sua vez, lançaram pedras e garrafas, incendiaram pelo menos um carro da polícia e transformaram grandes lixeiras em barricadas.

Foram relatados ferimentos por ambos os lados e ativistas levantaram temores de que o impasse tenha entrado em uma nova fase.

BdTD Algerien Proteste (picture-alliance/dpa/F. Batiche)

Polícia dispara jatos de água contra manifestantes

"A mobilização de sexta-feira foi diferente por causa da escala da repressão," segundo a vice-presidente da Liga Argelina para a Defesa dos Direitos Humanos.

A cientista política Cherif Driss avalia que, enquanto as manifestações continuaram inabaláveis, "a polícia está a reduzir o espaço público para expressão".

Driss disse ainda, no entanto, que "a resposta permanece moderada e profissional. Não há repressão brutal".

Presos e feridos

A polícia atribuiu a violência de sexta-feira a "delinquentes" infiltrados na multidão e disse que 108 pessoas haviam sido presas, enquanto alguns manifestantes também responsabilizaram "arruaceiros" pelos confrontos.

A Direção Geral de Segurança Nacional informou que 83 policiais haviam sofrido ferimentos, mas negou ter recorrido a táticas repressivas e disse que estava apenas a manter a ordem pública.

Vários manifestantes também foram feridos e pelo menos um foi atingido no peito pelo que parecia ser uma bala de borracha, segundo um fotógrafo da AFP.

Grupos de ativistas enfatizaram seu compromisso com a não-violência, embora algumas lojas e propriedades tenham sido danificadas após os protestos nos primeiros dias do movimento.

"Os manifestantes estão muito comprometidos com a continuação do movimento em sua forma pacífica", disse Abdelwahab Ferfaoui do grupo cívico Youth Action Rally. "Esta é a chave do sucesso,“ afirmou.

Leia mais