Lançamento de rede de prevenção nos conflitos eleitorais | NOTÍCIAS | DW | 26.08.2019

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Lançamento de rede de prevenção nos conflitos eleitorais

As eleições gerais realizam-se já no próximo dia 15 de outubro e esta rede tem como objectivo prevenir qualquer tipo de violência. A apresentação desta rede realizou-se em Maputo com a presença de vários intervenientes.

Mosambik | Adriano Nuvunga

Adriano Nuvunga, Diretor do Centro para a Democracia e Desenvolvimento

Em Moçambique, organizações da sociedade civil dizem "chega de violência e de conflitos eleitorais, o país já teve casos de mais e quer a paz”. Esta segunda-feira (26.08.), um grupo lançou em Maputo a Rede de Monitoria, Resposta e Mitigação de Violência e Conflitos Eleitorais.

O Diretor Executivo do Centro para a Democracia e Desenvolvimento, Adriano Nuvunga, explicou que a Rede Nacional de Prevenção, Mitigação e Resolução de Violência e Conflitos eleitorais, antes, durante e depois das eleições gerais de 2019 em Moçambique visa contribuir para um processo eleitoral credível, justo, participativo e inclusivo.

Ouvir o áudio 02:30

Moçambique lança rede para monitorizar a violência nas eleições

"A finalidade é assegurar que haja confiança pública das pessoas para se dirigirem aos postos de votação muito em particular a mulher que fica retraída por causa da violência”, explicou Adriano Nuvunga.

Nuvunga disse ainda que nesta operação serão mobilizadas aproximadamente quatro mil pessoas, por um lado de monitoria de conflitos e violência eleitoral e por outro, de observação tradicional das eleições, incluindo a contagem paralela dos resultados.

Responsabilidade dos partidos

Por seu turno, o Presidente da Comissão Nacional de Eleições (CNE), Abdul Carimo, disse que os partidos devem assumir as suas responsabilidades durante o processo eleitoral.

"Os partidos têm uma mão muito forte nesta questão da violência. E não estou a dizer um, dois ou três partidos, estou a dizer todos os partidos”, afirmou Abdul Carimo

Mosambik | Abdul Carimo

Abdul Carimo, Presidente do CNE

Os partidos políticos em Moçambique são acusados de historicamente instrumentalizarem as pessoas, em particular os jovens, para se envolverem em actos de violência e conflitos eleitorais.

Para Siphosami Malunga, Diretor Regional da Open Society Foundation, uma organização baseada na África do Sul, os partidos devem apregoar mensagens de paz, de confiança nas instituições e nas pessoas.

"Não é verdade que as eleições são um problema, mas a solução. E a violência eleitoral não é um fenómeno inevitável. Se tiverem confiança nas pessoas que estiverem a gerir as eleições terão confiança no processo, se tiverem confiança no processo terão confiança nos resultados”, sublinhou Malunga.

Mosambik | Siphomasi Malunga

Siphosami Malunga, Director regional da Open Society Foundation

Cerimónia de apresentação

A cerimónia de lançamento da plataforma eleitoral contou com a presença de gestores eleitorais, representantes de partidos com e sem assento parlamentar, assim como da sociedade civil.

Um dos participantes no encontro quis saber qual era o posicionamento da CNE relativamente a oferta de uma instituição para financiar uma auditoria ao recenseamento eleitoral na província de Gaza, com vista a dissiparem-se suspeições sobre um empolamento do número da população com idade para votar.

O Presidente da CNE, Abdul Carimo, respondeu questionando como é que este órgão poderia intervir quando os dados estatísticos estão ainda em investigação por parte da Procuradoria-Geral da República.

As intervenções durante o encontro mencionaram, igualmente, como factores que contribuem para desconfianças nas eleições, o facto da lei que regula estes processos sofrer mudanças constantes e nas vésperas dos processos de eleitorais, a actuação da polícia e dos meios de comunicação social.

Para Adriano Nuvunga uma das principais mensagens a reter do encontro aponta para a necessidade de "um diálogo permanente” entre os diversos atores para resolver este problema da violência nas eleições moçambicanas. As eleições gerais realizam-se já no próximo dia 15 de outubro.

Leia mais