Líderes sindicais são detidos em Bissau | Guiné-Bissau | DW | 22.10.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Líderes sindicais são detidos em Bissau

Dois líderes sindicais do setor da saúde foram detidos na capital guineense, denunciou advogado de defesa. São acusados de incentivarem os colegas a não prestarem serviços mínimos no âmbito da greve geral no país.

Fodé Mané, um dos advogados de defesa dos sindicalistas

Fodé Mané, um dos advogados de defesa dos sindicalistas

Yoio João Correia, presidente do Sindicato Nacional dos Enfermeiros, Técnicos de Saúde e Afins (SINETSA) e o seu vice, João Domingos da Silva, foram detidos esta sexta-feira à tarde (22.10) em Bissau.

O Ministério Público acusa-os de crime de "omissão de auxílio", alegadamente por terem apelado aos seus associados para não prestarem os serviços mínimos nos hospitais devido à greve geral que assola o país, disse Fodé Mané, um dos seus advogados, em declarações à DW África.

"Eles foram detidos apenas pelo facto de serem sindicalistas", afirmou Mané.

"Alegaram que, no dia 20, nenhum funcionário de saúde a nível nacional foi ao serviço, mas eles provaram que estavam à espera do Governo para negociar os serviços mínimos", continuou o advogado.

Como o Governo disse que "não se ia sentar com os sindicatos para negociar serviços mínimos, todos os trabalhadores de saúde acharam que as reivindicações dos sindicatos eram justas e aderiram a 100%. Só depois é que o próprio sindicato apelou a algumas pessoas para aderirem. É só isso. Não há um facto direto que tenham cometido, é só pelo facto de serem dirigentes sindicais", reforçou.

Guinea-Bissau Bissau | Proteste

Protestos dos técnicos de saúde em Bissau

"Não estamos num Estado de Direito"

Técnicos de saúde e enfermeiros protestaram contra as detenções junto às instalações da Polícia Judiciária, em Bissau, mas foram dispersos pelas forças de segurança com recurso a gás lacrimogéneo.

Fodé Mané diz que o crime de que os líderes sindicais são acusados nem sequer prevê prisão preventiva.

O advogado diz que esta sexta-feira já não conseguiu requerer a libertação de Yoio João Correia e João Domingos da Silva.

"Fecharam a secretaria dos tribunais e não há juiz de turno. Estamos a gerir a situação até segunda-feira, para dar entrada a uma ação pela detenção ilegal, uma queixa-crime contra o próprio delegado e para a inspeção do Ministério Público. Sabemos que não vai avançar, porque o que está a acontecer comprova que não estamos num Estado de Direito", disse.

Os técnicos de saúde reivindicam o pagamento de salários em atraso, melhores condições de trabalho e a sua integração no Estatuto da Carreira Médica.

Assistir ao vídeo 05:22

Qual é o impacto das greves na Guiné-Bissau?

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados