Líderes na Somália iniciam conversações eleitorais decisivas | NOTÍCIAS | DW | 22.05.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Líderes na Somália iniciam conversações eleitorais decisivas

Em meio a forte esquema de segurança, líderes de estados semi-autónomos iniciaram hoje negociações para novas eleições, após adiamento recente do pleito ter desencadeado uma das piores crises políticas do país em anos.

Kenia Nairobi | Präsident Somalia | Mohamed Abdullahi Mohamed

O Presidente da Somália, Mohamed Abdullahi Mohamed, conhecido como "Farmajo".

As tensões políticas na Somália aumentaram após o Presidente Mohamed Abdullahi Mohamed ter prolongado no mês passado, por dois anos, o seu mandato - que tinha expirado a 8 de fevereiro. Dias após essa decisão, a violência irrompeu na capital desta nação do Corno de África, enquanto as forças governamentais se chocavam com grupos pró-oposição que assumiram brevemente o controlo de partes da cidade.

Numa tentativa de desanuviar a agitação, o Presidente, mais conhecido pelo seu apelido Farmajo, encarregou no início deste mês o primeiro-ministro Mohamed Hussein Roble de estender a mão a rivais para realizar conversações enquanto concordava em realizar as presidenciais e legislativas.

As conversações, que inicialmente deveriam ter começado na quinta-feira (20.05), iniciaram-se finalmente neste sábado (22.05) quando o primeiro-ministro Roble se encontrou com os líderes dos cinco estados semi-autónomos da Somália e o presidente da câmara de Mogadíscio, numa instalação montada no aeroporto da cidade.

Somalia Mogadischu Premierminister Mohamed Hussein Roble

O primeiro-ministro Mohamed Hussein Roble.

"Segurança apertada"

Fontes oficiais presentes na reunião disseram que as conversações foram iniciadas em meio a um forte esquema de segurança, com a Missão da União Africana para a Somália (AMISOM), de manutenção da paz, e a polícia local destacadas em força.

"A conferência consultiva nacional sobre as eleições entre o Governo Federal e os Estados Membros Federais iniciou-se hoje", disse o porta-voz do Governo, Mohamed Ibrahim Moalimu, numa declaração. "Todos os líderes que irão participar estão agora presentes e o primeiro-ministro está a presidir à conferência", acrescentou.

As conversações significam agora que primeiro serão abordadas as fontes de tensão em curso, incluindo a composição da comissão eleitoral e a segurança do escrutínio, disseram fontes oficiais à agência de notícias AFP.

Apenas depois disso será decidida a "finalização" da logística eleitoral, incluindo uma data real, acrescentaram, sem qualquer indicação de quanto tempo durarão as conversações.

Somalia Abstimmung Gesetzesentwurf zur Verlängerung der Amtszeit von Präsident Mohamed Abdullahi Mohamed

Legisladores somalis em votação para prorrogar o mandato do Presidente Mohamed Abdullahi Mohamed.

Farmajo

A chegada de Farmajo ao poder como Presidente em 2017 foi vista como um sinal de esperança, muitos considerando-o empenhado no combate à corrupção e ao grupo extremista Al-Shabaab, ligado à Al-Qaeda, que tem tentado derrubar o Governo federal desde 2007.

A decisão de prolongar o seu mandato foi, contudo, entendida como um meio de reforçar a sua própria base de poder, enquanto o seu mandaro não teve progressos no combate ao Al-Shabaab.

Farmajo fez um acordo com os estados federais em setembro passado que abriu o caminho para eleições indiretas antes do fim do seu mandato de Governo.

Mas o acordo entrou em colapso quando ele os líderes de dois estados, Puntland e Jubaland, discutiram os termos antes. Sob pressão nacional e internacional, Farmajo concordou em voltar aos termos do acordo de setembro.

Os analistas advertem que, após seis meses de conversações apoiadas pela ONU, não conseguiram salvar o acordo anteriormente, e  o impasse poderia deteriorar-se na ausência de pressão externa.

Atualmente, o Governo controla apenas uma pequena parte do território nacional com o apoio de cerca de 20 mil tropas da AMISOM

Assistir ao vídeo 04:05

A luta incansável de Ilwad Elman pela paz na Somália