Líderes do leste europeu visitam Kiev para reforçar apoio ao povo ucraniano | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 16.03.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Líderes do leste europeu visitam Kiev para reforçar apoio ao povo ucraniano

Líderes da Polónia, República Checa e Eslovénia encontraram-se com o Presidente da Ucrânia, em Kiev, para levar a mensagem de que o país não está sozinho. Ministros da Defesa da NATO voltam a reunir-se hoje.

Os primeiros-ministros da Polónia, República Checa e Eslovénia encontraram-se esta terça-feira (15.03) com o Presidente da Ucrânia, em Kiev, na primeira visita de líderes estrangeiros à capital ucraniana desde o início da invasão russa, a 24 de fevereiro. Antes do encontro, Volodymyr Zelensky admitiu que o seu país não deverá integrar a NATO.  

Enquanto os ataques da Rússia se multiplicam, as negociações de cessar-fogo prosseguem e Moscovo tenta reagir às sanções impostas pelo Ocidente, os líderes do leste europeu foram pessoalmente à Ucrânia levar a mensagem de que Kiev não está sozinha.

Após o encontro com Zelensky, o primeiro-ministro polaco, Mateusz Morawiecki, encorajou a União Europeia (UE) a "dar muito rapidamente o ‘status' de candidato" à Ucrânia. "Nunca vamos deixá-los sozinhos. Vamos estar convosco [ucranianos], porque sabemos que vocês não estão a lutar apenas pela vossa liberdade, pela vossa casa e pela vossa segurança, mas também por nós", declarou.

Mateusz Morawieck, Jaroslaw Kaczynsk, Petr Fiala e Janez Jansa durante os preparativos da visita a Kiev

Mateusz Morawieck, Jaroslaw Kaczynsk, Petr Fiala e Janez Jansa durante os preparativos da visita a Kiev

O chefe de Estado ucraniano disse confiar no futuro da Ucrânia na UE. "Estamos 100% certos de que tudo o que discutimos atingirá os seus objetivos para o nosso país, a nossa segurança e o nosso futuro."

O encontro em Kiev ocorreu num dia de novos ataques russos na capital ucraniana, com bairros residenciais a serem atingidos. Dezenas de pessoas morreram, segundo as autoridades.

Mais sanções contra a Rússia

Por causa da intensificação dos ataques, a União Europeia anunciou esta terça-feira um novo pacote de sanções contra a Rússia. Entre os sancionados está o multimilionário Roman Abramovich, dono do clube de futebol inglês Chelsea.

Zelensky agradece protesto que interrompeu emissão em directo na Rússia

Mas Moscovo também vai impor sanções contra o Ocidente. Os principais visados são o Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, o secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, entre outros altos responsáveis de Washington.

Os Estados Unidos, no entanto, mantêm o seu apoio à Ucrânia. O Presidente Joe Biden liberou mais de 13 mil milhões de dólares em ajuda à Kiev para "aliviar o sofrimento" ucraniano.

A Casa Branca informou que Biden vai deslocar-se à Europa, na próxima semana, para discutir a guerra com os aliados da NATO, numa altura em que a Comissão Europeia admitiu que este é o momento para repensar a estratégia de defesa no continente.

Ministros da Defesa da NATO voltam a reunir-se

Os ministros da Defesa da NATO realizam esta quarta-feira uma reunião extraordinária em Bruxelas. O encontro vai focar nas recentes alegações de Moscovo sobre a existência de armas químicas no território ucraniano.

Tais alegações foram categoricamente negadas pelo secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, esta terça-feira: "Durante meses, temos exposto a longa lista de mentiras da Rússia. Afirmaram não ter planeado invadir a Ucrânia, mas fizeram-no. Afirmaram que estavam a retirar as suas tropas, mas enviaram ainda mais. Afirmam estar a proteger os civis, mas estão a matar civis."

Jens Stoltenberg, secretário-geral da NATO

Jens Stoltenberg, secretário-geral da NATO

"Agora estão a fazer afirmações absurdas sobre armas químicas na Ucrânia. Isto é apenas mais uma mentira. E estamos preocupados que Moscovo possa encenar uma operação de falsa bandeira, possivelmente incluindo armas químicas", lembrou ainda.

Antes do encontro com os líderes do leste europeu, esta terça-feira, o Presidente da Ucrânia reconheceu que o país não poderá integrar a NATO, uma das exigências da Rússia para terminar a guerra.

"A Ucrânia não é um membro da NATO. Ouvimos durante anos que as portas estavam abertas, mas também ouvimos dizer que não podíamos aderir. Esta é a verdade e temos de a reconhecer", disse.

Volodymyr Zelensky disse que as negociações de cessar-fogo com a Rússia prosseguem e admitiu a possibilidade de um acordo de paz até maio. A guerra na Ucrânia já causou quase 700 mortos e provocou a fuga de cerca de 4,8 milhões de pessoas, segundo os mais recentes dados da ONU.