Líderes africanos lamentam morte de Kenneth Kaunda | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 18.06.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Líderes africanos lamentam morte de Kenneth Kaunda

Líderes africanos lamentaram hoje a morte de Kenneth Kaunda, o primeiro Presidente e fundador da Zâmbia, a quem elogiaram pelo papel proeminente no movimento de libertação anticolonial do continente africano.

"Em nome do Governo e do povo da África do Sul, desejo expressar as nossas mais profundas condolências à família Kaunda, ao Governo e ao povo da República da Zâmbia", disse o Presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa.

"Também nunca esqueceremos que foi com a ajuda a solidariedade desse líder extraordinário que conquistamos a nossa liberdade e a nossa democracia. Que a sua alma descanse em paz", acrescentou Ramaphosa, numa mensagem publicada na sua conta na rede social Twitter.

“A região da SADC e todo o continente africano, estão muito gratos pelo importante contributo do antigo Presidente Kenneth Kaunda nos nossos esforços comuns para trazer e defender a independência, paz e segurança na região e em todo o continente. De facto, o seu gigantesco legado brilhará para sempre", escreveu o Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, numa mensagem de condolências ao seu homólogo da Zâmbia, Edgar Lungu.

O Presidente da Tanzânia, Samia Suluhu Hassan, declarou-se, no Twitter, "profundamente entristecido" pela morte do antigo Presidente da Zâmbia, pois "a África perdeu um lutador pela libertação, um patriota e um verdadeiro pan-africanista".

"A morte do ex-Presidente Kaunda é uma perda para os seus compatriotas na Zâmbia, para os seus amigos no Botsuana e para o continente africano. Enviamos as nossas condolências ao povo da Zâmbia durante este período difícil", disse no Twitter o Presidente do Botsuana, Mokgweetsi Masisi, que declarou sete dias de luto nacional.

Já o Presidente do Uganda, Yoweri Museveni, afirmou na mesma rede social que Kuanda "lutou pela independência da Zâmbia e deu um grande contributo para a luta pela liberdade da África Austral".

Na mesma linha, o Presidente do Zimbabué, Emmerson Mnangagwa, transmitiu as suas "mais profundas condolências" à família de Kaunda, "um libertador e líder, e o primeiro presidente de uma Zâmbia independente".

Para o Presidente da República Democrática do Congo (RDC), Félix Tshisekedi, Kaunda foi "uma importante figura do pan-africanismo e um dos últimos sobreviventes das lutas de libertação do continente do jugo colonial que se extinguiu".

Luto nacional de 21 dias

O líder da independência e primeiro Presidente da Zâmbia, Kenneth Kaunda, morreu aos 97 anos, anunciou na quinta-feira o Governo zambiano. "Morreu pacificamente" no Hospital Militar Maina Soko, em Lusaka, disse na quinta-feira (17.06) o secretário do Governo da Zâmbia, Simon Miti, na televisão nacional, anunciando um período de luto nacional de 21 dias.

O antigo chefe de Estado, que liderou o antigo protetorado britânico durante quase três décadas, tinha sido internado, na segunda-feira (14.06), no hospital militar da capital Lusaka com pneumonia.

UK | Kenneth Kaunda

Kenneth Kaunda em junho de 1961

O atual Presidente da Zâmbia, Edgar Lungu, expressou na quinta-feira a sua "grande tristeza" numa publicação na rede social Facebook. 

Também apelidado de "o Gandhi africano" pelo seu ativismo não violento, Kenneth Kaunda conduziu a antiga Rodésia do Norte à independência sem derramamento de sangue em outubro de 1964.Socialista que esteve próximo de Moscovo, governou o país durante 27 anos. 

Após violentos tumultos, aceitou eleições livres em 1991 e foi derrotado. Enquanto no poder, apoiou muitos movimentos que lutavam pela independência ou contra o domínio da minoria branca noutros países da região, incluindo o Congresso Nacional Africano (ANC) na África do Sul.

Desde a sua reforma em 2000, esteve envolvido na resolução de crises no continente africano no Quénia, Zimbabué, Togo e Burundi, bem como na luta contra a sida, depois de ter anunciado publicamente que um dos seus filhos tinha morrido da doença. A sua saúde agravou-se após a morte, em setembro de 2012, da sua mulher, com quem teve nove filhos.

Assistir ao vídeo 01:37

Quem é Kwame Nkrumah do Gana?

Leia mais