Líder dos protestos no Mali apela para calma | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 12.07.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Líder dos protestos no Mali apela para calma

Confrontos nas manifestações que ocorrem desde sexta-feira em Bamako deixaram sete mortos e dezenas de feridos. Presidente diz que o Estado vai responder "sem qualquer fraqueza" contra os que incitarem a violência.

Protestos em Bamako, no Mali

Bamako está em ebulição devido aos protestos contra o Presidente maliano desde sexta-feira

O líder dos protestos no Mali, o imã Mahmoud Dicko, pediu calma este domingo (12.07), depois da morte de mais quatro civis nas manifestações que exigem a renúncia do Presidente Ibrahim Boubacar Keita.

"Não provoquem ninguém. Não ataquem ninguém", apelou num vídeo gravado na mesquita onde é pregador. "Acalmem-se, por favor! Acalmem-se! Acalmem-se!", acrescentou.

Esta é a pior agitação civil do país em anos. A capital Bamako é, desde sexta-feira (10.07), palco de manifestações sangrentas. Testemunhas dizem que as forças policiais atiraram diretamente contra os manifestantes.

Com as três mortes anteriormente registadas na sexta-feira, o Mali regista um total de sete vítimas nos protestos até este sábado (11.07). Entre os mortos, estão dois adolescentes, de 15 e 17 anos.

Os confrontos foram "especialmente violentos" no bairro de Badalabougou, nos arredores da residência de Mahmud Dicko, imã líder da oposição, e de Dagnoko Manassa, presidente do Tribunal Constitucional.

A polícia terá feito cerca de uma centena de detenções durante os distúrbios, de acordo com o primeiro-ministro maliano, Boubou Cissé.

Protestos em Bamako, a capital do Mali

Segundo testemunhas, a polícia atirou contra os manifestantes

Controvérsias

O Presidente maliano tentou apaziguar os manifestantes, prometendo, num discurso, dissolver o atual Tribunal Constitucional, que está no centro das controvérsias. Aquele tribunal revogou os resultados provisórios das eleições legislativas de abril, o que provocou protestos em várias cidades. 

Soma-se a isto a ação de grupos jihadistas, problemas económicos e corrupção no seio do Governo, que levaram os manifestantes a exigir a renúncia de Ibrahim Boubacar Keita.

Nos últimos dias, seis figuras da oposição, que está reunida na coligação Movimento do 5 de junho - Reunião das Forças Patrióticas" (M5-RFP), foram detidas nos últimos dias.

A renúncia do Tribunal Constitucional foi uma das exigências dos manifestantes, mas existem outras reivindicações consideradas mais difíceis de concretizar, como a dissolução da Assembleia Nacional ou a renúncia do próprio Presidente.

Num comunicado divulgado este domingo (12.07), Ibrahim Boubacar Keita diz que está disposto a continuar o diálogo com a oposição, mas critica o que diz ser a "incitação à violência" por pessoas ligadas ao M5-RFP, às quais, prometeu, "o Estado responderá sem qualquer fraqueza".

O chefe de Estado também reconheceu que os protestos de sábado criaram "fatalidades". O Movimento do 5 de Junho é integrado por religiosos, políticos e personalidades da sociedade civil.