Líder da RENAMO compara aumentos a ″pólvora″ em Moçambique | Moçambique | DW | 30.05.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Líder da RENAMO compara aumentos a "pólvora" em Moçambique

O líder da Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO), principal partido da oposição, Ossufo Momade, alertou para "convulsões sociais", defendendo a necessidade de medidas de proteção social.

"O agravamento do custo de vida, já bastante difícil, é uma pólvora" que pode resultar em "convulsões familiares e sociais", prontas a "explodir a qualquer momento", disse Ossufo Momade.

O dirigente falava esta segunda-feira (30.05) na abertura da terceira sessão do Conselho Nacional da Renamo, o órgão mais importante do principal partido da oposição no intervalo entre congressos.

"Este asfixiamento coloca as famílias moçambicanas na mendicidade e vulnerabilidade social. A pessoa com fome nem sempre está no seu perfeito discernimento", destacou o presidente daquela organização política.

Aumentos "violentos"

Mosambik Tankstelle in Ponta Do Ouro

Ossufo Momade considerou "violentos" os últimos aumentos dos preços dos combustíveis em Moçambique

Ossufo Momade considerou "violentos" os últimos aumentos dos preços dos combustíveis no país, criticando a falta de medidas de alívio e o "desprezo" do Governo pela "justiça social”.

"Sempre defendemos que o bem-estar dos cidadãos é a prioridade de todas as prioridades e é necessária e urgente a identificação de medidas de alívio, como, por exemplo, a redução do Imposto sobre o Valor Acrescentado”, enfatizou.

Ossufo Momade considerou que o agravamento do custo de vida resulta da má governação da Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo), partido no poder, e de corrupção, defendendo que a Renamo é a alternativa.

Mas o líder também questionou os seus militantes.

Num discurso para o interior do partido, Ossufo Momade criticou os membros que expõem opiniões na comunicação social e nas redes sociais sobre a vida da organização, avisando que essa conduta não será tolerada.

"Defendemos a liberdade de expressão, mas não compactuamos com a libertinagem e a anarquia: o nosso comportamento deve transmitir união e fraternidade entre nós”, salientou.

Unidade interna do partido

A unidade interna, prosseguiu, é fundamental para que o partido alcance vitória nas eleições autárquicas de 2023 e gerais (presidenciais e legislativas) de 2024.

Apesar de não se ter dirigido diretamente a nenhum membro, a direção da Renamo criticou recentemente o autarca de Quelimane, centro do país, Manuel de Araújo, por ter acusado quadros do partido de pressionarem os municípios a canalizarem dinheiro à organização.

RENAMO

Ossufo Momade avaliou positivamente o processo de Desarmamento, Desmobilização e Reintegração (DDR)

No discurso de abertura do Conselho Nacional, Ossufo Momade avaliou positivamente o processo de Desarmamento, Desmobilização e Reintegração (DDR) dos guerrilheiros do braço armado do principal partido da oposição, notando que já voltaram a casa 3.486 homens e mulheres da antiga guerrilha da organização, dos 5.221 registados.

Desse número de guerrilheiros abrangidos pelo DDR, 91 pertenciam à Junta Militar, uma dissidência armada da Renamo, tendo sido ainda desativadas 12 das 16 bases da organização.

O líder da Renamo voltou a criticar a posição do Governo moçambicano de optar pela neutralidade na guerra de invasão da Rússia à Ucrânia, assinalando que não se pode compactuar com a agressão da soberania de nenhum Estado e violação do direito internacional.

A reunião do Conselho Nacional da Renamo vai avaliar hoje e terça-feira as atividades do partido referentes ao período entre abril de 2019 e maio deste ano, a situação do DDR, situação política, social e económica do país, conjuntura política internacional e preparação das próximas eleições.

Moçambique: Criar uma empresa em tempos de pandemia

Leia mais