Líder da RENAMO acusa Governo de violar memorando de entendimento sobre processo de paz | Moçambique | DW | 18.12.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Líder da RENAMO acusa Governo de violar memorando de entendimento sobre processo de paz

Líder interino da RENAMO, acusou o Governo de violar o memorando de entendimento assinado pelas duas partes, manifestando-se desapontado com a nomeação interina de oficiais da organização para o exército.

O líder interino da RENAMO, Ossufo Momade, disse esta terça-feira (18.12.) que o memorando de entendimento alcançado entre a liderança do seu partido e o Presidente Filipe Nyusi no âmbito dos esforços para o alcance de uma paz duradoura em Moçambique não prevê a nomeação de oficiais do seu partido para o exército interinamente.

Ossufo Momade disse ainda que ao abrigo do memorando, a RENAMO submeteu ao Governo nomes de 14 oficiais para serem nomeados, tendo sido conduzidos a postos de chefia apenas três.

Momade reage às declarações do titular da Defesa

Mosambik Verteidigungsminister Athanasius Salvador Mtumuke (DW/L. Matias)

Atanásio Salvador Mtumuke

O líder interino da RENAMO reagia às declarações  do ministro da Defesa, Atanásio Mtumuke, o qual afirmou há dias que a nomeação interina de três oficiais do maior partido da oposição para o exército não violava o memorando de entendimento.

"Preocupa aos moçambicanos o facto de o ministro da Defesa Nacional pretender ignorar e desrespeitar este memorando de entendimento, o que dá a entender a existência de dois comandos no seio das Forças de Defesa e Segurança", afirmou Ossufo Momade."Solicitamos ao Presidente da República na sua qualidade de subscritor do Memorando de Entendimentopara corrigir as nomeações interinas e proceder ao cumprimento desse documento. A bem da nação solicitamos também a celeridade nos passos subsequentes".

Indignação e preocupação

Mosambik Neue Generaloffiziere (DW/L. Matias)

Quadros superiores do exército moçambicano

O líder interino da RENAMO disse a jornalistas falando via teleconferência que manifestou a sua indignação e preocupação relativamente a implementação do memorando ao grupo de contacto internacional para a paz em Moçambique num encontro mantido na semana passada.

"Asseguramos a esses parceiros o compromisso do partido RENAMO de prosseguir com as negociações, sobretudo comprometemo-nos a respeitar o Memorando de Entendimento subscrito por nós e pelo Presidente da República no dia seis de agosto de 2018, pelo que também exigimos o seu cumprimento pela contraparte".

A missão do grupo de contacto era constituída pelo respetivo Presidente, o embaixador da Suíça, Mirko Manzoni, o co-presidente do grupo e embaixador dos Estados Unidos da América, Dean Pittman, o embaixador da União Europeia, Antonio Sánchez-Benedito, e o alto comissário do Botsuana, Gobe Pitso.

Ouvir o áudio 02:27
Ao vivo agora
02:27 min

Líder da RENAMO acusa Governo de violar memorando de entendimento sobre processo de paz

Grupo de contacto satisfeito com o diálogo

O grupo de contacto afirmou na ocasião através de um comunicado ter ficado "satisfeito com o diálogo com a RENAMO e com a confirmação do seu compromisso de manter a paz e a implementação do memorando de entendimento sobre o processo de Desmilitarização, desmobilização e Reintegração das forças residuais do partido".

Durante a teleconferência desta terça-feira, o líder interino da RENAMO voltou a rejeitar os resultados das eleições autárquicas de 10 de outubro, afirmando que foram fraudulentas.

"Reiteramos o nosso apelo ao Presidente da República, sociedade civil moçambicana, às confissões religiosas e à comunidade internacional, incluindo as Nações Unidas, para, em conjunto, reporem a verdade eleitoral do dia 10 de outubro".

 

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados