Líbia: Forças anti-Haftar lançam contra-ataque perto de Tripoli | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 20.04.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Líbia: Forças anti-Haftar lançam contra-ataque perto de Tripoli

As forças leais ao Governo de União Nacional (GNA), sediado em Tripoli, anunciaram um contra-ataque aos rivais liderados pelo marechal Khalifa Haftar, a sul da capital líbia, onde os combates redobraram de intensidade.

"Começámos a fase de ataque. As ordens foram dadas às primeiras horas da madrugada para avançar e conquistar terreno", declarou este sábado (20.04) à agência de notícias France Presse Moustafa al-Mejii, um porta-voz da operação militar do GNA.

Pelo menos 205 pessoas morreram e 913 ficaram feridas desde o início da ofensiva do Exército Nacional Líbio (ENL) do marechal Khalifa Haftar, a 4 de abril, para conquistar Tripoli, capital líbia, indicou a Organização Mundial de Saúde (OMS) num balanço divulgado na quinta-feira (18.04).

Fajis al-Sarradsch Libyen

Fayez al-Serraj, primeiro-ministro da Líbia

O primeiro-ministro da Líbia, Fayez al-Serraj, que é apoiado pela Organização das Nações Unidas, condena o silêncio dos aliados internacionais perante a escalada da ofensiva militar liderada pelo marechal Khalifa Haftar.

Em entrevista à BBC, Fayez al-Serraj diz sentir-se abandonado pela comunidade internacional. Para o primeiro-ministro líbio, a falta de apoio dos parceiros internacionais poderá "conduzir a outras consequências", citando o risco dos extremistas do Estado Islâmico se aproveitaram da instabilidade naquele país.

Na quinta-feira, o procurador-geral militar do governo líbio emitiu um mandado de detenção contra o marechal Khalifa Haftar, que controla o leste do país. O procurador-geral militar do GAN ordenou a prisão de Haftar e de seis dos seus oficiais, acusados de realizar ataques aéreos contra instalações e bairros civis, segundo o documento publicado pelo gabinete de comunicação do executivo liderado pelo primeiro-ministro, Fayez al-Sarraj.

Libyen Bereits mehr als 200 Tote bei Kämpfen um die Hauptstadt Tripolis

Veículos destruídos após noite de confrontos nos arredores de Tripoli esta semana

Milhares de deslocados

 Os combates forçaram 25.000 deslocados, incluindo mais de 4.500 em 24 horas, "o maior aumento de deslocações num dia", de acordo com a Organização Internacional para as Migrações (OIM).

A comunidade internacional continua dividida sobre a ofensiva e um projeto de resolução do Reino Unido no Conselho de Segurança, pedindo um cessar-fogo e acesso humanitário às zonas de combate,

mas não obteve a unanimidade, de acordo com diplomatas das Nações Unidas.

A Rússia, que bloqueou um projeto de declaração do Conselho pedindo ao ENL para suspender a ofensiva, continua a levantar objeções às referências criticando Haftar, disse um diplomata.

A Líbia tem sido vítima do caos e da guerra civil, desde que, em 2011, a comunidade internacional contribuiu militarmente para a vitória dos distintos grupos rebeldes sobre a ditadura de Muammar Khadafi (entre 1969 e 2011).

A Líbia é também a ponta do funil da imigração africana. Muitos migrantes de todo o continente rumam à Líbia com o objetivo de apanhar um barco com destino à Europa.

Leia mais