Kofi Annan: Morre o antigo secretário-geral da ONU | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 18.08.2018

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Kofi Annan: Morre o antigo secretário-geral da ONU

Kofi Annan, um dos diplomatas mais célebres do mundo e primeiro líder subsaariano da ONU, faleceu este sábado (18.08) aos 80 anos, após uma "curta doença", divulgou a família.

O ex-secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU) e vencedor do prémio Nobel da Paz, o ganês Kofi Annan, morreu este sábado (18.08), aos 80 anos, segundo confirmaram fontes da família à imprensa.

Na conta oficial do Twitter de Annan, seus familiares publicaram uma mensagem na qual confirmaram que a morte aconteceu após o ex-secretário-geral passar por tratamento num hospital da Suíça.

No entanto, a família de Annan não divulgou a doença que acometeu o antigo líder das Nações Unidas e pediu "privacidade neste momento de luto".

"Com grande tristeza, a família Annan e a Fundação Kofi Annan anunciam que Kofi Annan, antigo secretário-geral da ONU e prémio Nobel da Paz, se foi em paz neste sábado, 18 de agosto, após uma curta doença", explicaram os familiares no Twitter.

"A sua esposa, Nane, e os seus filhos, Kojo, Ama e Nina, estiveram ao seu lado durante os seus últimos dias", acrescenta a mensagem.

"Amigo e mentor"

O secretário-geral da ONU, António Guterres, lembrou Kofi Annan, como "uma força que guiou o bem". "De muitas maneiras, Kofi Annan encarnou as Nações Unidas. Ele dirigiu a organização, no novo milénio, com dignidade e uma determinação inigualável", afirma António Guterres em comunicado.

Segundo Guterres, Kofi Annan "nunca deixou de trabalhar para manter vivos os princípios da Carta das Nações Unidas", acrescentando que "o seu legado será sempre uma inspiração para todos".  

António Guterres disse ainda "estar orgulhoso" de poder chamar ao antigo secretário-geral da ONU amigo e mentor. "Foi uma pessoa a quem sempre pude pedir um conselho. Ele ofereceu a todos um espaço de diálogo, um lugar onde os problemas se podem resolver e onde se procura o caminho para um mundo melhor", refere.  

Schweiz UNHCR - Guterres und Annan

António Guterres (esq.), então alto comissariado da ONU para os refugiados, com o então secretário-geral Kofi Annan (2005)

"Uma perda para o mundo"

O alto comissário das Nações Unidas para os direitos humanos, Zeid Ra'ad Al Hussein, disse que ficou abalado com a morte de Annan. "Kofi foi o melhor exemplo da humanidade, o epítome da decência humana e graça. Em um mundo agora cheio de líderes que são tudo menos isso, nossa perda, a perda do mundo se torna ainda mais dolorosa", afirmou Hussein.

A Organização Internacional para as Migrações (OIM), agência da ONU, também divulgou a notícia e lamentou "a perda de um grande homem, um líder e um visionário". "Uma vida bem vivida, uma vida que merece ser celebrada", acrescentou a instituição em sua conta do Twitter.

"Filho do Gana"

Na terra natal de Annan, a sua morte também foi lamentada. O Governo e o povo do Gana "estão profundamente tristes com a notícia da morte de um dos nossos maiores compatriotas", disse o Presidente Nana Akufo-Addo, no Twitter.

O ex-Presidente John Dramani Mahama afirmou que "Kofi Annan viveu bem e trabalhou pela paz global, segurança e desenvolvimento sustentável em tempos muito difíceis. Um orgulhoso filho do Gana e de África".

Diversos líderes mundiais comentaram a morte do prémio Nobel da Paz e falaram sobre o seu legado. A chanceler alemã, Angela Merkel, disse que Kofi Annan "inspirou a mim e a muitos outros com suas idéias, suas convicções firmes e, não menos importante, seu carisma". 

A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, lamentou a morte de Kofi Annan, apontando que "desaparece um grande líder e um reformador das Nações Unidas, alguém que contribuiu de forma notória para fazer do mundo um lugar melhor", escreveu Theresa May, noTwitter. 

Angola - Nelson Mandela und Kofi Annan

Kofi Annan ao lado de Nelson Mandela, na África do Sul (1997)

O Presidente francês, Emmanuel Macron, também utilizou o Twitter para prestar homenagem ao antigo secretário-geral da ONU, salientando que nem "o seu olhar calmo e decidido, nem a força dos seus combates" serão esquecidos. 

Na Rússia, numa nota divulgada pelo Kremli, são transmitidas as condolências às Nações Unidas, à família do diplomata e ao seu país, o Gana. A eurodeputada Ana Gomes também lamentou a morte de Kofi Annan, dizendo tratar-se de um homem corajoso e honesto, com quem trabalhou no processo de independência de Timor Leste. 

Uma vida a servir

Annan manteve-se em atividade até os seus últimos dias, liderando a delegação da ONG The Elders, fundada por Nelson Mandela, que esteve no Zimbabué durante o processo eleitoral no final de julho.

O primeiro líder subsaariano da ONU entrou na organização em 1962 e foi ascendendo nas fileiras da organização até chegar ao cargo de secretário-geral em 1997, função que desempenhou até 2006.

Enquanto esteve à frente da organização, iniciou um programa para reformar a instituição e impulsionou o apoio da comunidade internacional à África e à luta contra a SIDA.

Em 2001, Annan foi galardoado com o Nobel da Paz junto à ONU por "seu trabalho por um mundo melhor organizado e mais pacífico".

Leia mais