Kabila em Angola não comenta recandidatura às presidenciais na RDC | NOTÍCIAS | DW | 02.08.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Kabila em Angola não comenta recandidatura às presidenciais na RDC

O Presidente da RDC chegou esta quinta-feira (02.08) a Luanda para uma visita de trabalho e não disse se se recandidata ou não. Kabila garantiu a João Lourenço que o processo eleitoral decorre dentro da normalidade.

Falta menos de uma semana para terminar o prazo para a entrega das candidaturas às presidenciais congolesas de 23 de dezembro. Em Luanda, capital de Angola, onde chegou esta quinta-feira (02.08), para uma visita de trabalho, o Presidente Joseph Kabila não disse se se recandidata ou não. No final de um encontro com o seu homólogo angolano, João Lourenço, Joseph Kabila preferiu enaltecer as relações económicas e comerciais com Angola, que pretende reforçar.

João Lourenço diz ter recebido de Kabila garantias de que o processo eleitoral na República Democrática do Congo (RDC) decorre dentro da normalidade. "Temos a obrigação de cultivar permanentemente os laços de amizade e de cooperação e de preferência estabelecermos negócios entre os nossos Estados, empresas, populações - coisa que já vem sendo feita ao nível das nossas fronteiras", deu conta João Lourenço, acrescentando que o encontro em Luanda servirá ainda para "falar do momento particular que a RDC está a viver."

Seguirá Kabila a Constituição?

Ainda não está claro se Kabila, que está no poder desde 2001 e está prestes a terminar o segundo mandato, vai ou não concorrer às eleições deste ano. O que é certo é que a constituição da RDC prevê apenas dois mandatos consecutivos. A imprensa congolesa fala na existência de propaganda nas ruas da capital Kinshasa com o rosto do atual chefe de Estado.

Ouvir o áudio 03:32

Kabila em Angola não comenta recandidatura às presidenciais

Entretanto, aumenta a pressão internacional para garantir que as eleições de dezembro sejam justas. "Existe uma certa pressão diplomática [na RDC para] que se cumpram os acordos de São Silvestre, que preveem que o Presidente Kabila não concorra a um terceiro mandato e Angola vai tentando fazer com que o Presidente cumpra o acordo", explica Osvaldo Mboco, especialista em relações internacionais, em entrevista à DW África.

O regresso de Bemba

Duas conhecidas figuras congolesas preparam-se para concorrer às eleições de 23 de dezembro: o ex-vice-presidente Jean Pierre Bemba, que regressou esta quarta-feira à RDC, depois de 11 anos fora, e o líder da oposição Moïse Katumbi.

O mesmo analista frisa que o regresso de Bemba "altera significativamente o xadrez político" na RDC, pois trata-se de "uma figura que goza de prestígio". "Já estevena vice-presidência, conhece muito bem as questões ligadas à segurança e à gestão do próprio país. E forçou o Presidente Kabila a ir a uma segunda volta em 2006. Temos aí uma figura para fazer peso ao nível da oposição", afirma.

Osvaldo Mboco sublinha ainda que o cumprimento da lei é vital para evitar um potencial conflito pós-eleitoral, à semelhança do que está acontecer no Zimbabué, onde a oposição alega fraude no escrutínio de segunda-feira (30.07).

"É apanágio em África, quem perde eleições alega sempre fraude eleitoral. Então, é fundamental, uma organização e uma gestão transparente. É fundamental evitar que se cometa erros de gestão, evitar que eleitores vão votar em outras zonas, evitar que não existam cadernos eleitorais. Deve-se evitar todos esses elementos que perigam a estabilidade", diz o especialista.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados