Juventude angolana atravessa maré de dificuldades | Angola | DW | 12.08.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Juventude angolana atravessa maré de dificuldades

No Dia Internacional da Juventude (12.08), recordamos os principais problemas que afetam os jovens angolanos, desde desemprego, habitação e acesso ao ensino superior. Reajuste dos transportes pode ser um novo obstáculo.

O acesso aos transportes públicos é um dos problemas que mais afeta a juventude angolana. Para além de escassos, os meios de transporte preparam-se para reajustar os preços nos próximos dias. A entrada em vigor da nova tarifa dos comboios de Luanda estava prevista para sexta-feira (09.98), mas, entretanto, foi adiada sem data.

Francisco Teixeira, responsável do Movimento dos Estudantes Angolanos (MEA), acredita que este reajuste vai "atrapalhar" a ida dos estudantes para as escolas. "Esta questão do reajustamento dos transportes públicos vai dificultar ainda mais e atrapalhar a normal frequência dos estudantes às aulas porque muitos vivem distantes das escolas e muitos deles andam longos quilómetros a pé", diz.

Ouvir o áudio 03:42

Juventude angolana atravessa maré de dificuldades

Mas o problema poderá estar resolvido em breve, quando os jovens estudantes, crianças, antigos combatentes e idosos passarão a estar isentos nos transportes públicos - rodoviário, marítimo e ferroviário.

Francisco Teixeira, do MEA, desconhece as formas de atribuição do chamado passe social e lamenta o facto de a sua organização não ter sido consultada na concepção do documento. "Não sabemos que métodos foram usados nesse processo, não sabemos que critérios o Estado vai usar para atribuir o passe social aos estudantes e como vai chegar aos estudantes pobres. Deviam ter contactado as instituições de defesa dos estudantes. É caricato", afirma.

Acesso ao ensino superior e desemprego

Este não é único problema que afeta a juventude angolana. Não é fácil o acesso ao ensino superior. Este ano, a Universidade Agostinho Neto UAN) registou mais de 46 mil candidatos para cerca de cinco mil vagas. Em 2020, o governo vai acabar com a gratuitidade nas instituições públicas de ensino, uma pretensão que tem sido criticada pelo movimento "Propina Not" - campanha lançada nas redes sociais por ativistas cívicos e estudantes universitários contra o pagamento de mensalidades nas universidades públicas. 

Assistir ao vídeo 04:46

Sambizanga, a capital do kuduro

A par disso, há a falta de emprego. Nos últimos dois anos, a taxa de desemprego em Angola cresceu de 8,8% para 28,8%, indicam dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), publicados este ano. E a juventude é a mais afetada.

O analista Augusto Báfuabáfua aconselha o Governo a direcionar as suas políticas públicas para o setor produtivo, como a agricultura e o turismo, porque pode gerar postos de trabalho. "O Executivo tem de fazer muito mais para empregar os jovens no turismo. Para além da hospedagem, a restauração, na própria mobilidade, aposta nos guias, nos tradutores. Há uma vasta oportunidade de trabalhos para jovens", destaca.

O sonho de ter uma casa

O sonho de ter casa própria é outro calcanhar de Aquiles para a juventude angolana. Augusto Báfuabáfua explica que é preciso apostar em políticas habitacionais "sérias e sustentáveis". "Há uma necessidade de o Executivo pensar grande, pensar que Angola é um país vasto com 1.246 e 700 km2 e nós somos somente 30 milhões", lembra.

"A grande luta para as habitações acontece mais nas grandes cidades, principalmente nas cidades de Luanda, Benguela e Lubango. Isso quer dizer que não há políticas sérias e sustentáveis, não há empenho suficiente no sentido de sair fora das grandes cidades", conclui o analista.

Durante muito tempo, Angola registou uma luta de gerações. Augusto Báfuabáfua diz que nos últimos tempos a situação inverteu-se. O analista aponta a introdução de jovens no Governo de João Lourenço como um sinal do desaparecimento deste conflito.

"Não há propriamente um conflito de gerações. O Presidente João Lourenço é relativamente mais novo [em relação a José Eduardo dos Santos] e no seu Executivo há gente tendencialmente mais jovem do que ele aos e isso vai amenizando esse tão propalado conflito de gerações", afirma.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados