Junta Militar nega envolvimento em novos ataques no centro de Moçambique | Moçambique | DW | 21.09.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Junta Militar nega envolvimento em novos ataques no centro de Moçambique

Polícia da República de Moçambique responsabiliza dissidentes da RENAMO por ataque que fez um morto e oito feridos no domingo, na EN1, em Sofala. Líder da Junta Militar devolve a acusação ao Governo.

A Polícia da República de Moçambique em Sofala confirma a ocorrência de um ataque armado entre a Gorongosa e Nhamatanda, no domingo (20.09), e avança um balanço provisório de uma vítima mortal e nove feridos, embora testemunhas no local tenham contabilizado dois óbitos.

"Temos registado um caso de ataque protagonizado por bandidos pertencentes à autoproclamada junta militar da RENAMO, estes que posicionados na N1 empenhados de armas de tipo AKM teriam efetuado vários disparos contra viaturas", disse Daniel Macuácua, porta-voz local da Polícia da República de Moçambique (PRM).

"É o Governo que deve saber"

O ataque atribuído à Junta Militar da RENAMO é, no entanto, refutado pelo líder do grupo Mariano Nhongo, que delega no Governo a necessidade de investigar a autoria dos incidentes.

"Não me pergunte sobre esses ataques, porque eu também não sei", afirmou. "Pergunte ao Governo quem está a realizar esses ataques, o que está acontecer nesses ataques... É o Governo que deve saber", reitera. 

A autoproclamada Junta Militar é apontada como autora dos ataques pelas autoridades moçambicanas desde junho de 2019, aquando da sua fundação. Esta organização contesta a liderança do maior partido da oposição moçambicana, a RENAMO, liderada por Ossufo Momade.  

Momade apela à união

Ossufo Momade está em visita de trabalho à província de Sofala desde o último domingo e voltou a apelar a Nhongo que se alinhe com o partido e adira ao processo de Desarmamento, Desmobilização e Reintegração (DDR) dos antigos guerrilheiros da RENAMO. 

Mosambik Wahlkampf Ossufo Momade, Vorsitzender von RENAMO

Ossufo Momade é o atual líder da RENAMO, o maior partido da oposição em Moçambique

"Temos feito vários apelos para que o Nhongo pudesse voltar à razão", garante o líder do partido. "Em nenhum momento deixámos de convidar para que eles pudessem regressar. Neste momento está a decorrer o DDR e nós queríamos que esses irmãos não pudessem perder esta oportunidade, porque é uma e única oportunidade que podem aproveitar", acrescenta, para dizer que "se perderem a oportunidade, teremos problemas".

Também no domingo, populares deram conta de mais um ataque no troço Muxungue-Save contra dois camiões de carga, incidente que ainda não confirmado pela polícia. É o segundo dia de incidentes no centro do país em menos de uma semana, depois de um ataque armado contra três autocarros de passageiros em Pungué, na quinta-feira (17.09).

Assistir ao vídeo 02:52

Moçambique: Desmobilizados da RENAMO vivem com medo

Leia mais