Julgamento sumário em Cabinda de ativistas independentistas | Angola | DW | 15.08.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Julgamento sumário em Cabinda de ativistas independentistas

Treze membros do Movimento Independentista de Cabinda (MIC) detidos no fim de semana começaram esta terça-feira a ser julgados sumariamente. Deputado Raul Tati diz que esta não é a solução para os problemas no enclave.

Os membros do MIC, um novo movimento que visa a independência do enclave angolano e a defesa de forma não violenta dos direitos fundamentais do povo de Cabinda, foram detidos no sábado (11.08) por agentes dos Serviços de Investigação Criminal (SIC), sob a alegação de atos preparatórios contra a segurança do Estado e instigação à violência.

As detenções foram feitas na residência do presidente do MIC, Maurício Gimbi, momentos antes de um encontro para apresentação pública da nova organização independentista de Cabinda.

Os 13 ativistas começaram a ser julgados esta terça-feira (14.08) pelo Tribunal Provincial de Cabinda e incorrem em crimes que vão até 12 anos de prisão.

Aktivisten sprechen über die angolanische Enklave Cabinda in Portugal

Raul Tati, ativista e deputado da UNITA

A acompanhar o assunto está Raul Tati, ativista de Cabinda e deputado da União Nacional para a Independência Toral de Angola (UNITA), o maior partido na oposição.

"Segundo as fontes policiais, os jovens terão sido persuadidos a não fazer o encontro e teriam registado alguma resistência, incorrendo naquilo a que eles chamam de instigação e desobediência à autoridade. Os jovens dizem que não foi exatamente o que aconteceu. Quando eles preparavam a apresentação, a polícia veio e começou a prendê-los", conta em entrevista à DW África.

Raul Tati já visitou os detidos e diz que os jovens foram postos numa cela sem quaisquer condições. "O lugar onde estão não dá nem para animais, mete dó", lamenta. Revela ainda que os 13 jovens do MIC dizem temer pela vida.

Diálogo com João Lourenço

O deputado da UNITA deixa um apelo ao Presidente angolano, João Lourenço, para dialogar de forma aberta sobre os problemas de Cabinda, ao invés de dar continuidade à política do seu antecessor. Deve "sentar-se com os cabindas e encontrar uma modalidade política e administrativa que possa ser aprovada pelos cabindas", defende.

Ouvir o áudio 03:20

Julgamento sumário em Cabinda de ativistas independentistas

"Se prender grupos e algumas personalidades de Cabinda, nunca vai resolver o problema. Eu não acredito que estes jovens, uma vez presos, desistam das suas convicções e daquilo que pretendem", afirma Raul tati.

À semelhança da Frente de Libertação do Enclave de Cabinda (FLEC), movimento de guerrilha que há mais de três décadas vem exigindo ao poder político de Luanda a desanexação de Cabinda do território angolano, o novo movimento surge como os mesmos propósitos.

A DW África tentou, sem sucesso, ouvir a Procuradoria-Geral da República (PGR) e os advogados dos acusados.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados